proibido

O Pacto, é uma adaptação cinematográfica do livro do norte-americano Joe Hill, que leva o mesmo nome e publicado pela editora Arqueiro.

Em O Pacto (Horns), Ig Perrish (Daniel Radcliffe), vive sob a tormenta do assassinato de sua namorada, Merrin (Juno Temple). Ele é de uma pequena cidade e vive sendo abordado de forma pejorativa, pois não há indicios que ele cometeu, porém, não há hálibes que comprovem sua inocência. Revoltado com sua vida e com Deus, um dia ele acorda com chifres. O que esses chifres fazem de especial? Bom, eles dispertam o que há de pior nas pessoas e através desse “dom” ele vai atrás do verdadeiro assassino de sua namorada.

Direção

Dirigido por Alexandre Aja (Piranha 3D, Espelhos do Medo e Viagem Maldita), o filme é uma boa adaptação. A escrita de Joe Hill é possível imaginá-la facilmente quando está lendo e felizmente, a mesma sensação que tive ao ler, foi quando vi o filme. Não há grandes modificações. O que torna, tudo ainda mais interessante.O único trabalho que havia assistido do diretor não foi muito bom, posso dizer que esse por enquanto, é o melhor dele.

Elenco

O elenco encarnou bem seus papéis, não acho que fugiram muito dos personagens. O destaque total vai para o Daniel, que soube lidar com vários gêneros sem parecer forçado. Pelo contrário, ele aos poucos e ao longo do tempo, tem provado que pode atuar em qualquer gênero de filme, embora todos os telespectadores ainda o vejam como o bruxo famoso.

Roteiro

A adaptação feita pelo Keith Bunin (roteiro), foi bastante fiel, porém em algums momentos sente-se falta de algumas cenas, porém, o que há de essencial no livro está na tela. Os leitores mais críticos, notarão diferenças, porém, não são absurdas e é impossível colocar um filme totalmente fiel ao livro sendo que ele teria uma minutagem absurda. Além do que, nem sempre o que está no papel fica “bom” na tela.

Fotografia

Frederick Elmes é um dos fotógrafos mais requisitados. Já trabalhou no filme Veludo Azul, Entre irmãos, Sinédoque,Nova York e entre muitos outros. Ele está no mercado desde os anos 70. Em Horns, o seu trabalho já é notável desde os primeiros minutos. Planos interessantes, marcantes e muito bem explorados. Sendo assim, só tenho elogios a seu trabalho no filme. O contraste é bem marcado, as cenas sempre carregam no vermelho e no amarelo.

Trilha sonora

O filme conta com uma trilha sonora bem agradável, logo nos primeiros minutos, temos um grande trecho de Heroes do David Bowie. Na trilha já músicas do Marilyn Manson, Pixies, The Shivers, Trent Dabbs e The Flaming Lips. Há uma harmonia irônica entre imagem e música. Isso torna a trama muito mais interessante.

Considerações Finais

O Pacto é um filme multigênero, pois é uma mescla entre: terror, romance, drama, suspense e comédia. Tanto a leitura como ao assistir, a sensação é a mesma e a proposta foi cumprida com êxito. Não chega a ser reflexivo, porém, tem muitos elementos fantásticos e se torna um bom filme para entretenimento. Ele atinge vários tipos de espectadores e felizmente, fará com quem muitos deles venham se interessar pelos livros do Joe Hill, que pra mim, é um dos melhores escritores contemporâneos.