As Palavras (The Words) - Poster / Capa / Cartaz

(The Words) – 111 min  – Drama – Romance

Direção: Brian Klugman e Lee Sternthal
Elenco: Bradley Cooper, Olivia Wilde, Jeremy Irons e Zoe Saladana.

Introdução

Em As Palavras, Clay Hammond (Dennis Quaid) está em turnê para o lançamento de seu novo romance, quando conhece Daniela (Olivia Wilde) e um relacionamento começa a surgir.

Rory Jasen (Bradley Cooper), trabalha em uma editora de livros e tem o sonho de publicar o seu próprio livro. Aos poucos, Rory vai se frustrando com vários nãos. Tem diversas dificuldades financeiras e procura seu pai para pedir ajuda. Porém, um dia ele encontra uma sacola com folhas amareladas que ao ler fica encantado com o conteúdo presente ali, um manuscrito inédito. Rory começa a transcrever essa história. O livro é publicado e se torna um bestseller. Até que um dia, um senhor (Jeremy Irons) encontra Rory e conta como aquelas palavras foram realmente escritas, a trama é de um soldado no período pós-guerra na França. Enquanto isso, Rory vê seu relacionamento ruir com Dora (Zoe Saldana).

São três escritores com três narrativas que se juntam numa só. Bem como suas vidas amorosas são expostas e culminam num elo entre presente e o passado e ao mesmo tempo ficção e realidade.

Uma premissa interessante e um filme bem sério. É um dos poucos filmes que me intrigaram no ano passado e que me fez refletir por um bom tempo.

Direção

Dirigido por dois roteiristas de Tron – O Legado, Brian e Lee finalmente estreiam um filme com a direção dos mesmos. Posso dizer que foram muito bem para uma estreia. Além do roteiro, dirigir é um passo e tanto. Repleto de bons atores e equipe, não foi um trabalho muito complicado para ambos. Não achei que pecaram em nenhum sentido. Espero ver outros trabalhos deles e finalmente encontrar algo a mais a comentar nesse quesito.

Elenco

O elenco do filme está fantástico. Nunca vi um papel pro Bradley tão dramático, o costume é vê-lo em comédias, posso dizer que é um dos seus trabalhos mais bonitos. Jeremy Irons é o personagem fundamental em toda trama, sua interpretação está realmente muito boa. Gostei muito da química entre os casais, porém, pelo fato da junção de tramas, achei que ficou muito raso e um tanto quanto confuso em alguns momentos.

Fotografia

Um ponto alto do filme é sem dúvida, a fotografia. Expressiva, inteligente e dá ao espectador um ambiente carregado e peculiar. No mercado de trabalho desde 1992. Antonio Calvache assina a direção de fotografia desse filme. É um dos seus melhores trabalhos, porém, gosto muito do filme Entre Quatro Paredes, que deu a ele renome no ramo.

Trilha sonora

Outro ponto positivo ao filme, assinada por Marcelo Zarvos, que contem experiência bem vasta no ramo de composição, não só pra filmes (O Bom Pastr, Nova Iorque, Eu te amo e Fora do Controle), como séries de tv (Extant e The Affair). Clássica, reflexiva e contém muita harmonia com a imagem.

Considerações Finais

Não tem nada mais pavoroso do que sua história ser roubada e utilizada por alguém para benefício próprio. Uma premissa que comove ao mesmo tempo irrita. É como explicar o injustificável. Mas contém a moral da trama muito intrincada com o amor. Afinal, abandonar o amor pelas palavras pode não ser uma boa escolha.