A Casa Assombrada

ISBN: 9788535925265
Ano: 2015 / Páginas: 296
Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

A Casa Assombrada – Eliza Caine tem 21 anos e acaba de perder o pai. Totalmente sozinha e sem dinheiro suficiente para pagar o aluguel na cidade, ela se depara com o anúncio de um tal H. Bennet. Ele busca uma governanta para se dedicar aos cuidados e à educação das crianças de Gaudlin Hall, uma propriedade no condado de Norfolk – sem, no entanto, mencionar quantas são, quantos anos têm ou dar quaisquer outras explicações. Assim, ela larga o emprego de professora numa escola para meninas e ruma para o interior.

Chegando a Gaudlin Hall, Eliza se surpreende ao encontrar apenas Isabella, uma menina que parece inteligente demais para sua idade, e Eustace, seu adorável irmão de oito anos. Os pais das crianças não estão lá. Não se veem criados. Ela logo constata que não há nenhum outro adulto na propriedade, e a identidade de H. Bennet permanece um mistério.

A governanta recém-contratada busca informações com as pessoas do vilarejo, mas todos a evitam. Nesse meio tempo, fica intrigada com janelas que se fecham sem explicação, cortinas que se movem sozinhas e ventos desproporcionais soprando pela propriedade. E então coisas realmente assustadoras começam a acontecer…

Introdução

Sempre que há um novo lançamento de John Boyne, eu fico extremamente curiosa. Gosto do estilo de narrativa de Boyne e mesmo em outro gênero completamente diferente do habitual, temos uma ótima história repleta de bons personagens e acontecimentos.

Em A Casa Assombrada, Eliza Caine acaba de perder o pai, desnorteada, abandona seu emprego como professora e responde a um anúncio que promete um emprego de governanta em uma casa em Norfolk. Ela vai em busca de um novo recomeço, porém, quando chega lá, o mistério e os segredos sobre a mansão começam a ganhar força e desconfiança.

Sobre John Boyne

John Boyne nasceu no ano de 1971 em Dublin, na Irlanda – onde reside até hoje -, e estudou, ainda jovem, literatura inglesa e “redação criativa” (ou Literatura Criativa) na Universidade do Leste da Anglia. Publicou um total de seis romances. Sua obra mais famosa, “O Menino do Pijama Listrado” – que vendeu mais de quatro milhões de cópias em todo o mundo -, passou 76 semanas como livro mais vendido na Irlanda, foi o livro mais vendido na Espanha nos anos de 2007 e 2008 e o número um, também, no Reino Unido, na Austrália e em muitos outros países . Além disso, em Novembro de 2008, alcançou o primeiro lugar dentre os Bestsellers do New York Times.

Capas pelo mundo

 

17307162 17621098 18649428 18492284

Narrativa

A narrativa tem um tempo muito diferente do comum. Isso definitivamente é um dos pontos positivos do livro. Pois o universo de 1867 é totalmente diferente do nosso, ir pra uma época na qual tecnologia, vestimentas, comportamento, distrações são completamente diferente das nossas. Boyne torna a narrativa uma realidade paralela durante a leitura. A fragilidade e a bondade da protagonista encanta o leitor nas primeiras páginas, os acontecimentos na Gaudlin Hall (mansão ao qual ela é contratada) atiçam tanto a curiosidade da moça quanto a nossa. Personagens assustadoramente bem caracterizados, Eustace e Isabella são ótimos personagens, principalmente a garota, muito esperta e afiada.

Diagramação

O trabalho gráfico ficou muito bom e confortável pra leitura. A capa embora tenha uma imagem simples, é emborrachada. A revisão do livro está muito boa. Não encontrei erros gráficos. Boa fonte e tamanho.

Considerações Finais

Mais uma vez, ponto pra Boyne. Um livro totalmente bem conduzido e que intriga o leitor. Embora trabalhe alguns clichês, o suspense é bem provocativo e curioso. Eliza é uma ótima personagem, em pouco tempo nos encantamos e torcemos por ela. O leitor é colocado dentro de um cenário misterioso, diferente, sobrenatural e bastante convidativo. Boyne consegue em uma narrativa curta o que muitos em trocentas páginas não consegue. Fico deslumbrada com a capacidade do autor em criar personagens em cenários bastante curiosos. Norfolk é uma cidade pequena, Gaudlin Hall é perturbadoramente curiosa.  Uma leitura que agrada diversos públicos e que com certeza, vai pra lista dos livros que mais gostei no mês. Um dos pontos que mais me agradaram e quem gosta de Charles Dickens vai amar, é a referência as obras do autor. Uma homenagem digna do mesmo.