Férias Infernais

ISBN-13: 9788501090829
ISBN-10: 8501090824
Ano: 2015 / Páginas: 272
Idioma: português
Editora: Galera Record
Compre pela Amazon

Mais uma vez, cinco grandes autoras se reúnem para contar histórias sobrenaturais… de férias que não se saíram muito como o planejado!

Acham perder a bagagem um grande problema? A viagem dos seus sonhos pode se tornar um pesadelo! Imagine ter de dividir os aposentos com uma bruxa rancorosa. E queimaduras de sol podem até ser ruins, mas nada se comparadas a uma maldição… Sombra e água fresca? Que nada. Todo mundo sabe que quando adolescentes saem de férias estão mesmo à procura de aventuras inesquecíveis.

Mas é preciso tomar cuidado com o que se deseja. Estes cinco contos sobrenaturais repletos de terror, vingança e maldições vão fazer você pensar duas vezes antes de escolher o próximo destino.

Introdução

Em Férias infernais, cinco autoras produziram 5 contos que tem como tema, viagens e situações ruins. Afinal, quem nunca teve alguma férias em que tudo parecia que estava predestinado a dar errado? Voltado para o terror, o livro tem uma mescla muito interessante de autoras andam fazendo muito sucesso tanto internacionalmente como aqui no Brasil.

*Para avaliá-los, fiz uma média e sendo assim, consegui dar uma nota para todos.

Sobre as autoras

Cassandra Clare

Cassandra Clare é uma escritora norte-americana, conhecida por escrever a série de livros best-seller Os Instrumentos Mortais. Ela nasceu no Teerã, no Irã, filha de pais norte-americanos e passou grande parte de sua infância viajando o mundo com a sua família, incluindo uma caminhada através do Himalaia quando criança. Ela morou na França, Inglaterra e Suíça antes de completar dez anos de idade.

Site oficialTwitterFacebook

Libba Bray

Libba Bray é uma autora de vários livros para adolescentes, tais como Belezas Perigosas, Anjos Rebeldes e, o último livro da trilogia Gemma Doyle, The Sweet Far Thing.

Site oficialTwitterFacebook

Maureen Johnson

Maureen nasceu na Filadélia, Pensilvânia. Atualmente mora em Nova Iorque, mas afirma que vive mesmo é no Twitter.

Site oficialTwitterFacebook

Claudia Gray

Claudia Gray é o pseudônimo de Amy Vicent, ela é uma escritora norte americana do gênero young adult.

Site oficialTwitterFacebook

Sarah Mlynowski

Sarah nasceu em Montreal, no Canadá. Após graduar-se com uma licenciatura em Inglês literatura da Universidade de McGill, ela se mudou para Toronto para trabalhar para Harlequin Enterprises. Livros de Sarah foram traduzidos para mais vinte e nove línguas. Ela agora vive em Nova York com o marido e duas filhas.

Site oficialTwitterFacebook

Edições estrangeiras

5168977 8724877 16204096 8600459 16152281 8474835

Narrativas / Personagens

Como são 5 contos, contarei a vocês as experiências que tive com cada um, não poderei analisar muito profundamente, ou se cansarão dessa resenha, afinal, é muita trama a ser analisada. Por isso, se tiverem alguma dúvida quanto a algum conto, por favor, fale via comentários que falarei mais amplamente da narrativa.

1. Cruzeiro, Sarah Mlynowski

Liz e Kristin, são melhores amigas e vão a um cruzeiro de 3 dias. Mas, algumas pessoas estão desaparecendo durante a viagem e quando os corpos são encontrados, algo sempre está faltando. Enquanto essa situação estranha acontece, Kristin está à procura do rapaz com quem perderá sua virigindade. É uma leitura que tende ao humor à todo momento. Pois enquanto rola um mistério, a menina tá preocupada com quem vai ter sua primeira relação. Sarah acerta no ponto, porém, os diálogos são pobres.  Pelo menos, a construção e do ambiente foi bem executada.

2. Não gosto da sua namorada, Claudia Gray

Cecily é uma jovem bruxa que irá passar – como de costume – as férias na praia onde é obrigada a conviver com sua inimiga mortal. Na viagem, conhece um garoto muito perfeito, porém, ele é namorado da garota que Ceci, odeia. Eu não me simpatizei muito pela progatonista, gosto de personagens mais emblemáticos e ela sofrendo toda temporada por uma menina que acaba sempre com suas férias, não foi plausível, visto que Ceci se mostra aos poucos muito virtuosa e inteligente, mas nada corajosa para assumir, pelo menos, antes do conto.

3. A lei dos suspeitos, Maureen Johnson

Marylou e Charlie são irmãs e vão passar as férias na França, mas acabam – alguns imprevistos acontecem – em uma cidade no interior do país, mas acabam descobrindo uma história que vai mudar o rumo da viagem que se tornou interessante e nada tedioso. É notável a referência a filmes de suspense, o conto tem um ritmo muito bom e aos poucos fica entregue a situação. Gostei das personagens e os diálogos são agradáveis.

4. A casa de espelhos, Cassandra Clare

Evan e Violet agora são irmãos (pai de Evan e mãe de Violet se casaram), durante a viagem de lua de mel de seus pais, sim, isso é meio estranho, mas a mãe de Violet insistiu para que eles fizessem parte. Durante essa viagem meio bizarra, Evan conhece uma mulher misteriosa. Violet, desde o primeiro momento sente que terá que ajudar Evan. Ela vai contar com ajuda de alguns empregados da casa onde estão hospeados. Lendas e segredos são revelados sobre a casa de espelhos. Eu sempre sou mais crítica com autores que já conheço, confesso que achei o conto bem batido, sei que Cassie tem potencial, mas em alguns momentos, até senti que não foi ela que escreveu. Uma pena.

Alerta: Se você ainda não leu nenhum outro livro dela, não tome como base.

5. Nenhum lugar é seguro, Libba Bray

Poe é um jovem recém formado e resolve fazer um mochilão pela Europa para comemorar seu feito na companhia de amigos. Quando o dinheiro para viagem fica curto, resolvem fazer uma rota mais barada e acabam indo a uma cidade chamada Necurantul e ali a história ganha corpo, um corpo surpreendente. Rituais e lendas de que os moradores antigos da cidade faziam com o diabo, para que a cidade prosperasse e nunca faltasse nada. Só que a cidade, atualmente, está prestes a ser destruída para que seja construida uma usina.

O meu favoritinho disparado, foi esse. Detalhado, personagens bem articulados e situações que provocam o medo da forma mais pura.

Capa & Diagramação

Sinceramente, a edição feita pela Galera Record dá um show nas capas estrangeiras.

Considerações Finais

O normal não tem vez em Férias Infernais, situações que abordam o sobrenatural e o suspense fazem parte da trama. Não tive dificuldades quanto ao fluxo da leitura. A antologia está bem organizada e possui bons contos e alguns, não tão bons assim… mas gosto é gosto, ninguém discute. É impossível gostar dos contos de maneira igual, pra mim, o conto de Libba Bray foi o melhor.

*Para avaliá-los, fiz uma média e sendo assim, consegui dar uma nota única para todos. 

Adquira seu exemplar pela Amazon

comentários

  1. eu quero muito ler esse livro e meus parabéns! eu sempre me pergunto como fazer analise de livros de contos, pq sempre tem aqueles que são ótimos, +- e aqueles que vc não gosta a ideia da média foi ótima
    como eu adoro sobrenatural definitivamente eu tenho que ler
    bjs e obrigada pela dica
    ps. concordo com o comentários sobre a capa ficou muito punk!

  2. Ainda não tinha visto nenhuma resenha sobre esse livro. Ler contos nunca foi algo que eu faça com muita frequência, mas como adoro esse tema abordado, fiquei bem curiosa, por mais que eles não sejam tão bons assim. Vai que eu gosto mais que você, né? Nunca se sabe!

  3. Em relação a capa, concordo com você, Amy!!! A edição brasileira deu um banho nas estrangeiras. Já falando dos contos, acho impossível gostarmos de todos os contos de maneira igual. Sempre um(ns) vai(ão) se sobressair(em). A pena é que o de Cassandra ficou bem abaixo do que ela pode apresentar.

    @_Dom_Dom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*