O Que Há De Estranho Em Mim

ISBN-13: 9788580414806
ISBN-10: 8580414806
Ano: 2016 / Páginas: 224
Idioma: português
Editora: Arqueiro

Introdução

Em O que há de estranho em mim, Brit é uma adolescente comum, tem seus momentos e surtos de rebeldia. Leva uma vida dificil, não vai bem na escola, volta tarde pra casa… também tem uma banda de rock e algumas tatuagens. Mas o pai e a madrasta de Brit mandam a garota para uma clínica psiquiátrica chamada Red Rock. Lá ela tem o diagnóstico de seu comportamento: ela tem Transtorno desafiador opositivo (TDO). Embora ela não saiba o que isso de fato significa, ela não quer acabar como sua mãe. Aos poucos somos envolvidos no internato que parece até uma prisão, onde garotas são deixadas pelos seus pais quando não conseguem lidar com suas filhas. Lá ela conhece V, Cassie, Bebe e Martha, juntas tentarão sair o mais rápido que puderem dali.

Sobre Gayle FormanFoto -Gayle Forman

Gayle Forman começou sua carreira escrevendo para a revista Seventeen em que a maioria de seus artigos, centrada nos jovens e preocupações sociais. Mais tarde ela se tornou uma jornalista freelance para publicações como a revista Details, Jane Magazine, Glamour Magazine, The Nation, Elle Magazine e Cosmopolitan Magazine.
Em 2007 ela publicou seu primeiro romance para jovens adultos, intitulado de Sisters In Sanity onde ela se baseia em um artigo que tinha escrito para a revista Seventeen. Seu mais recente romance If I Stay (Se eu ficar), fez Forman levar vários prêmios, entre eles o Indie Choice Award de 2010.

Narrativa

Gayle trabalha uma narrativa original e de modo bem real. É possível acreditar em sua história, principalmente conhecendo a fundo o TDO. O TDO é caracterizado pelo comportamento de oposição é intenso quando se está com fome, estressado, cansado. Sendo assim, podem discurtir, desobedecer e desafiar os pais. É um transtorno grave e que necessita de tratamento, pois quando adulto, continua a ter esse tipo de comportamento opressivo e não aceita ordens que são impostas e geram vários problemas no aprendizado. O tratamento necessita de empenho e acompanhamento constante tanto dos pais quando dos médicos.  A relação de amizade de Brit com as outras internas é algo que dá um gás a trama. A parte legal é que o romance de fato, não é o foco principal da trama, tendo assim, uma nova visão da escrita da autora e o que ela tem a proporcionar aos seus leitores. Acredito de verdade, que o pai de Brit estava pensando que ela se internar, irá ficar melhor, mas o oposto acontece, de início ela se isola e depois faz amizade com outras meninas com um objetivo em comum: desafiar o sistema da clínica e sair de lá o quanto antes. Tanto a construção dos personagens quanto a ambientação são bem detalhistas, embora o livro não seja enorme, a leitura é bem completa. Várias questões contemporâneas são colocadas na narrativa e são discutidas de modo bem brando, nada muito profundo.

Diagramação e capa

Adorei a capa do livro, uma das mais bonitas da autora. A edição está bem feita e a diagramação, embora simples, é bem confortável.

Considerações finais

O que há de estranho em mim, é uma história sobre amizade, transtornos e que envolve uma discussão bastante séria sobre as diferenças. Uma leitura forte, dramática e bem engendrada. Gayle acertou de novo!