O leitor do trem das 6h27

ISBN-13: 9788580577914
ISBN-10: 8580577918
Ano: 2015 / Páginas: 176
Idioma: português
Editora: Intrínseca

Introdução

Em O Leitor do trem das 6h27, Guylain Vignolles pode até parecer um cara comum, mas de comum ele não tem nada. Ele trabalha em uma fábrica que destrói livros que não vendem. Todos os dias, ele lê as páginas que salva. Elas são páginas aleatórias, mas que até fazem um pouco de sentido. Um dia, ele se surpreende e por consequência, nós leitores também.

Os livros que mais me impressionam são os que mais tenho dificuldade de comentar com vocês, é um fato. Me esforcei bastante, pra tentar passar o máximo de informações pra vocês dos motivos pelo qual me encantei com livro é claro, sem deixar a surpresa da leitura pra vocês. E já adianto, que resenha difícil.

Sobre Jean-PaulJean-Paul Didierlaurent

Mora em Vosges, na França. Seus contos ganharam duas vez o Prêmio Hemingway. O leitor do trem das 6h27 é seu primeiro romance, cujo direito de publicação foi adquirido em 25 países.


Edições estrangeiras

22052676 25267912 26111561 24581472 24973077

Narrativa

Um livro com narrativa em terceira pessoa, mas que leva um ritmo diferenciado. Entrecortado, mas que no fundo carrega uma alma poética. Esse livro contradiz tudo que já leu em poucas páginas, pois a leitura não é tão de fácil acesso quanto se imagina. É preciso ler com calma, pois o ritmo não é nada acelerado e objetivo. É um livro em poucas páginas, mas que é feito sob camadas.

Os personagens secundários, se fazem necessários. O mais curioso é a máquina que Guylain opera, a Coisa. O único bem desse personagem é um peixinho dourado, chamado Rouget de Lisle, como sou curiosa, acredito que há uma ligação ao Claude-Joseph Rouget de Lisle, um oficial do exército que quase foi morto por uma guilhotina. O porteiro (Yvon) da fábrica onde Guylain trabalha é um dos personagens que o mesmo estabelece um tipo de amizade é hilário, vive recitando versos alexandrinos (composto por doze sílabas poéticas).

Pra mim, foi tudo diferente do que já li, acredito que pra vocês também será. E que surpresa boa!

Capa e diagramação

Apesar de não ser minha capa favorita, gostei bastante da proposta de cores e tipografia produzida pela Intrínseca. A diagramação do livro é simples, mas bastante funcional, li a maior parte do livro em uma fila e não me cansei em nenhum momento.

Considerações finais

O leitor do trem das 6h27, é um livro curto com uma proposta grande. Um presente aos leitores que são fascinados pelo ato de ler, uma homenagem pelas horas incessantes envolvidos com uma trama. Envolvente, doce e inesquecível. Nunca achei que encontraria algo tão original em um livro que me fisgou pelo título e que acabou se tornando um dos meus favoritos.