A vida louca da MPB

Autor: Ismael Caneppele

LeYa | 272 páginas | R$ 49,90

O universo musical sempre foi cercado de mitos, boas histórias e curiosidades. Muito se sabe das loucuras cometidas por artistas estrangeiros, mas é difícil encontrar as curiosidades envolvendo grandes nomes da música brasileira reunidas em um único lugar. Por meio de uma extensa pesquisa, Ismael Caneppele destrinchou detalhes pouco conhecidos das biografias de artistas como Noel Rosa, Cazuza, Maysa, Raul Seixas, Vinicius de Moraes, Tim Maia e Carmem Miranda, que ajudam a entender quem foram essas pessoas e o porquê de terem personalidades tão marcantes, envolventes e originais. A vida louca da MPB, lançamento da LeYa, abre as portas para o lado criativo, inusitado e por vezes engraçado das vidas de dezessete figuras que não se limitaram a viver dentro dos padrões estabelecidos pela sociedade e que deixaram um legado para todas as gerações seguintes.

O lançamento do livro acontecerá na quinta-feira, dia 31, a partir das 19h30, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional.

Noel Rosa, por exemplo, teve uma juventude boêmia. Aos 25, no auge da sua carreira musical, contraiu tuberculose. O diagnóstico confirmava: era preciso matar a boemia para preservar o organismo. E assim Noel fez durante um tempo, mas uma decepção amorosa o levou a chutar o balde e se entregar à bebida, ao cigarro e ao samba. Aos 26, Noel Rosa morreu, antecipando o Clube dos 27 que a partir dos anos 1960 incluiria tantos outros músicos. Já Orlando Silva, conhecido como “cantor das multidões”, foi uma das primeiras figuras brasileiras a provocar verdadeira histeria entre as fãs,obrigando as cidades que o recebiam a declararem feriado municipal nos dias de seus shows, tamanho o transtorno que as apresentações causavam.

O livro também traz histórias de artistas que tiveram importante papel nas mudanças sociais. Uma das mais poderosas vozes femininas que o Brasil já teve, Cássia Eller agiu politicamente em muitas esferas, não apenas na música. Ela quebrou paradigmas de comportamento afetivo e, após sua morte, a vitória de sua companheira, Eugênia, na disputa pela guarda definitiva do filho natural da cantora criou jurisprudência para casos similares enfrentados por casais homossexuais.

Além de Cássia, artistas como Renato Russo, Cazuza e Itamar Assumpção fizeram parte da trilha sonora da juventude do autor que mergulhou, também, nas biografias de personalidades de décadas anteriores, como Carmem Miranda e Maysa, para compor a obra. Os nomes presentes neste livro deixaram uma memória importantíssima para a história da música popular brasileira, foram pessoas que viveram intensamente e que tiveram uma vida recheada de emoções e realizações.

O autor

Ismael Caneppele é autor de Os famosos e os duendes da morte, pelo qual recebeu o prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras. Nascido no interior do Rio Grande do Sul, trabalhou em cidades como Bonn, Berlim, Zagreb e São Paulo, com literatura, teatro, cinema e ópera. Em 2014, recebeu o Prêmio Funarte de Dramaturgia, pelo seu texto “Corte Seco”. Música para quando as luzes se apagam e Só exaustão traz a verdade são outros títulos seus lançados.