Adoro Problemas – Michael Moore

Adoro problemas

Edição: 1
Editora: Lua de Papel
ISBN: 9788563066787
Ano: 2011
Páginas: 352
Tradutor: Carlos Szalak

Os fãs de Michael Moore que se preparem para a surpresa: uma deliciosa autobiografia, composta por 24 crônicas ou esquetes. Podem tranquilizar-se, todavia. Ele nada perdeu da potência de fogo, e continua indignado. Mestre em desobediência civil, os atuais indignados mundo afora sabem que contam com ele em suas fileiras.Este livro mostra os episódios cruciais de seu percurso desde a infância. Tudo é relevante, sobressaindo o relato da histeria coletiva quando este pioneiro denunciou a invasão do Iraque e o conluio da Casa Branca: ameaça de morte na televisão, planos de plantar bombas em sua casa, insultos e ataques físicos pessoais. É bom lembrar hoje quando a unanimidade se instalou e todos reconhecem os culpados, o quanto tais pioneiros arriscaram. Não percam os outros atos de protesto de que, sempre à sua maneira despretensiosa e cheia de humor, o autor participou. Elas mostram claramente, a cada passo, que estava sendo plasmado um grande dissidente. Declarar que Adoro problemas é de longe o melhor livro de Moore não é um elogio exagerado. “Declarar que Adoro problemas é de longe o melhor livro de Moore não é um elogio exagerado” Dwight Garner — The New York Times — 13 de setembro de 2011

proibido

Introdução

Sou suspeita ao falar de cinema, muito mais ainda de documentários (um dos meus gêneros preferidos) e muito muito mais ainda ao falar de Michael Moore (um dos meus favoritos, pois ele cutuca a ferida de muitos de modo bem sarcástico, irõnico e divertido). Um mestre no estilo de documentário que aborda e se faz presente em todos os seus filmes. Passa a se tornar o filtro entre a história e o espectador.

Narrativa

Eu não tinha lido nenhuma biografia do cineasta até então. Mas essa supriu grande parte das minhas dúvidas e acontecimentos na vida de Michael Moore que eu não imaginaria que ele havia passado. É claro que quem fala o que quer, pode ser calado a qualquer momento. Michael é em grande parte da sua vida, destemido. Politizado até os cotovelos, a biografia é bastante pautada na convição politíca do cineasta e no que motivou ele a começar a sua carreira. Desde pequeno ele foi dotado de um espírito questionador e quando chegou na maturidade isso não se perdeu, não se calou. Mas passou por bons e maus bocados. Michael é satirizado em alguns filmes, é criticado por muitos, mas se ele ali não estivesse. Não saberiamos nem a metade dos problemas que os EUA enfrentam e se impõem a dizer que ali é a paz e tranquilidade que todo país deveria ter. O carinho e apreço que sentia pela mãe também é um retrato de umas características mais fortes do cineasta, mesmo que achem que ele é ferro, estão enganados, ali pulsa um ser humano extremamente sentimental e carinhoso com aqueles que o apoiam.

Momento Macchiato

“Até hoje, aquele último fio de cabelo grisalho ainda está naquele mesmo bolso de camisa, que está dobrada dentro de uma pequena sacola, no meu antigo quarto, na casa em que cresci, escondido, intacto, no alto da estante de livros, perto de uma pequena estátua de plástico que ela me deu na Feira Mundial de Nova York da Pietá de Michelangelo. – pág 100

Considerações Finais

Se você é como eu, adora Michael, documentários e política internacional. Adoro problemas é um livro que vai te fazer rir e se surpreender com uma vida pautada pela crítica. Michael é talentoso no que faz e deve ser lembrado pelo mesmo. Sempre. Inspirado nesse livro, o Macchiato a partir da semana que vem conta com mais um tipo de postagem. AGUARDEM!