A Fada – Carolina Munhoz 

Edição: 3
Editora: Fantasy – Casa da Palavra ISBN:
ISBN: 9788577343034
Ano: 2012
Páginas: 256

Jovens costumam ganhar presentes caros, viagens ou festas surpresas em aniversários de 18 anos. Melanie Aine ganhou o falecimento do pai, o abandono da mãe, uma estranha tatuagem e a descoberta de que não era humana. Como se tudo isso não bastasse, Melanie descobriu que faz parte de um mundo onde seres mágicos existem e que sua vida comum na enevoada Londres estava com os dias contados. Agora ela terá que remexer no passado de sua família para descobrir que tem uma missão que lhe foi designada, encontrando um legado com segredos inimagináveis. A única parte recompensadora dessa história parece vir do encontro com um bonito homem misterioso, oriundo de uma família de bruxos poderosos. No entanto, a relação dos dois caminha em uma linha tênue entre afeto e fúria. Um afeto que pode levá-la à transcendência e à vida eterna. Uma fúria que pode conduzi-la à morte e ao esquecimento.

proibido

Introdução

Já faz muito tempo que queria ter a oportunidade de ler a primeira obra da autora Carolina Munhoz. Felizmente tive a oportunidade nesse mês de dezembro. Já adianto que um dos leitores do Macchiato também terá a oportunidade de se encantar com esse mundo mágico o qual a autora nos insere.

Narrativa

Em A Fada, a protagonista Melanie está comemorando o seu aniversário de 18 anos e recebe um presente inusitado. Descobriu que não é humana. Lidar com esse mundo novo, procurar respostas e ainda lidar com a recente perda do seu pai é o que ronda a trama de Carolina nessa obra. O romance também faz com que a trama tenha uma leveza. Mel e Arthur são cativantes, divertidos e apaixonados.

A nova edição do livro também conta com um presente para os que leram O inverno das fadas, pois há um conto super gracioso inspirados nas Leanam Sidhes. O livro é escrito em primeira pessoa, temos a visão de Melanie a todo momento. Para alguns é positivo e para outros há uma restrição dos fatos. Mas acho que Carolina acerta quando escolhe o tipo de narrativa, pois é muito particular e muito Melanie. Não o veria tão bem se fosse narrado em terceira pessoa.

Quote favorito

“Nós não éramos como os humanos. Tinhamos sangue de cavaleiros em nossas veias, dos que lutavam em campos medievais. Na adrenalina, nossas questões importantes eram resolvidas nas batalhas.
Só que aquilo nunca foi uma batalhar.
Ele havia ultrapassado o limite.” – pág 113

Considerações Finais

É o segundo livro que leio sobre o tema nesse ano. Mas adianto que em A Fada as minhas expectativas e resultados foram muito melhores. O que é notável que a literatura brasileira está vindo com tudo e dando um banho em muito autor estrangeiro. Lerei O Inverno das Fadas, felizmente estou com ele em mãos. Logo mais, vou contar as experiências que tive. O livro vai além da beleza estética, que diga-se de passagem está caprichada e muito condizente com a trama.