Cidades de Papel

Edição: 1
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580573749
Ano: 2013
Páginas: 361
Tradutor: Juliana Romeiro

Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.

Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.

Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

proibido

Introdução

Nessa nova trama lançada recentemente pela editora Intrínseca, Quentin, é o protagonista. Prestes a se formar no ensino médio, querendo um futuro e uma vida bem organizada. Em uma noite qualquer, Margo aparece a noite e o chama para uma noite de muitas aventuras. Quentin fica um pouco apreensivo e decide ir, porém, a vida de Quentin nunca mais será a mesma. Além de ter tido uma noite incrível, no dia seguinte Margo some. Aos poucos Quentin vai procurando pistas do paradeiro de Margo, afinal, pode ter acontecido algo de ruim.

Narrativa

A narrativa de John Green sempre tem um pouco de humor e mistério, acho que é a fórmula que encanta milhares de leitores. Os seus personagens em sua maioria carismáticos, atípicos e muito criativos.  Poético, reflexivo, com personagens com nomes estranhos e engraçados. É claro que John Green acerta mais uma vez e propõem algo intenso, divertido e muito fofo.

Quentin é um garoto muito esperto, consegue ler nas entrelinhas, procura o destino de Margo incessantemente. É notável o carinho que tem por ela.

Margo é uma menina do mundo, tem pensamentos além do esperado, extrovertida e muito inteligente.

O livro retrata praticamente a busca de Quentin por Margo, o leitor fica esperando isso se desenrolar da melhor forma. Quentin não fará isso sozinho, com ele, Radar (é um dos meus favoritos) e o casal Ben e Lacey. Todos tem suas características próprias e é claro, divertidos e empenhados em ajudar na busca, afinal, são amigos e conhecem Margo.

Uma narrativa fluída, sem breques ou pausas, ela simplesmente vai até o fim rapidamente.

A fase mais legal do livro é a parte em que eles põe o pé nas estrada na busca. Um misto de desespero, ansiedade e muitos imprevistos.

Diagramação

A editora caprichou na diagramação, muito bem feita, colorida, chamativa e John Green é John Green.  A edição brasileira ficou muito parecida com a americana, então creio que vá agradar a todos.

Considerações Finais

Não é o melhor livro do autor.

Porém, mantém o frescor de personagens distintos e engraçados. Com sua beleza, sua excentricidade e seu carisma. O livro surpreende, entretém e não faz o leitor ficar com raiva em nenhum momento. É um livro muito próximo de comédias românticas, mas foge o padrão.