Edição: 2
Editora: Planeta do Brasil
ISBN: 9788542202281
Ano: 2014
Páginas: 504

No recém-lançado livro O lobo de Wall Street, Belfort conta a sua alucinada trajetória movida a drogas, álcool, vida promíscua e aventuras radicais, um tanto suicidas. Ele descreve, por exemplo, como destruiu o campo de golfe de sua casa ao pousar seu helicóptero, pilotando-o com apenas um olho aberto – isso porque estava sob efeito de tantas drogas que tinha dupla visão. Também naufragou com um barco de 52 pés depois de desrespeitar as ordens do capitão e navegar com a cabeça cheia de psicotrópicos pelo mar Mediterrâneo durante uma tempestade.

Em suas noitadas ininterruptas, chegou a gastar US$ 600 milhões em um hotel em Los Angeles. E, quando não estava completamente fora de controle, ou só um pouco, Belfort comandava a sua corretora que fraudou os seus investidores em cerca de US$ 200 milhões. Quando a sucessão de fraudes aplicadas ficou conhecida no mercado, a revista Forbes publicou reportagem (1991) em que o descrevia como um Robin Hood às avessas, que tirava dos ricos para distribuir entre ele e seus amigos.

Nessa época Belfort ganhava US$ 12 milhões a cada três minutos. Os seus grandes ídolos eram Gordon Gekko, o atormentado personagem de Michael Douglas no filme Wall Street, e Richard Gere, em Uma linda mulher. Gekko era inclusive um de seus apelidos no mercado financeiro, o outro era Don Corleone. Mas ele gostava mesmo era de ser chamado o Lobo de Wall Street. Tanto lhe agradava que, quando nasceu o seu primeiro filho, disse: “É um menino, o meu lobinho de Wall Street!” Criado no bairro do Queens, de classe média americana, Belfort alimentava sonhos megalômanos: “A suíte presidencial, a Ferrari, a casa na praia, uma loira maravilhosa, vinhos caros, exposições de arte, o iate – esse é o retrato do cara rico de Wall Street. E esse fui eu um dia.” Há passagens deprimentes na biografia, a exemplo do momento em que estava tão alterado que empurrou sua segunda mulher escada abaixo na frente de sua filha. Hoje Belfort mora sozinho numa modesta casa de três quartos em Manhattan Beach, numa região não tão cara de Los Angeles.

proibido

Introdução

Primeiro, entendo que a editora relançou o livro com a capa do filme (dirigido por um dos mestres do cinema atual e estrelado por um grande ator), mas me desaponta muito uma autobiografia com a cara de um ator e não a do próprio escritor. Acredito que em certa parte, que isso descaracteriza a ideia inicial e acaba por só o correlacionar ao filme.

Em O Lobo de Wallstreet, temos uma autobiografia escrita por Jordan Belfort, um grande corretor que acabou caindo no mundo alucinado de situações ilícitas. Recentemente sua história foi representada nos cinemas pelo ator Leonardo DiCaprio e diriga por Martin Scorsese, embora ele diga que era muitas vezes pior do que foi representado na tela. Hoje em dia, Jordan ministra palestras motivacionais pelo mundo e garante que 100% do seu dinheiro, vem disso. Jordan ficou preso por 22 meses por fraude e lavagem de dinheiro.

Narrativa

Jordan é um ótimo escritor. Narra de uma forma divertida e meio drástica, mas ninguém melhor do que ele para contar o que fez e passou durante toda a sua trajetória nos negócios e na sua vida particular. No livro, temos um panorama completo e situações bizarras, engraçadas, sérias e bem complexas ao qual foi passando ao longo de sua vida. Desde o início de sua biografia, nota que tem total consentimento de que tudo o que fez de errado era absurdo e que não teria um “final feliz”.

O engraçado é que não se trata de um livro de ficção, mas nós ficamos em dúvida se torcemos para que o vilão continue ileso ou que seja pego e a justiça seja feita. Ele se demonstra muito carismático e totalmente contraditórios ao longo da narrativa.

Embora a biografia seja de Jordan, eu confesso que aos olhos dele, a Duquesa é uma pessoa adorável, compreensível e muito zelosa.

Diagramação

Embora eu já tenha comentado que a capa do livro não me agradou pelo fato de mostrar um ator (já temos uma indicação que há uma adaptação na capa). Ela demonstra um pouco do imaginário que permeia a obra.

A foto do verdadeiro Lobo de Wallstreet.

O livro não é só dividido por capítulos. Ele é dividido por livros também (ao todo são quatro).

Quote Favorito

“Tudo em excesso: ultrapassar limites proibidos, fazer coisas impensáveis e me associar a pessoas ainda mais loucas do que eu, e considerar a minha vida bem normal” – 41

Considerações Finais

O livro O lobo de Wallstreet é imenso. Porém, as páginas fluem muito bem (como dito anteriormente, ele é um ótimo narrador/contador de histórias). É uma ótima biografia, uma das mais completas, malucas e insanas que já tive oportunidade de ler. A mensagem dela é clara. Viver de excessos pode ser um grande problema e as consequências vem logo após.

Assisti a adaptação do livro, Martin fez um ótimo trabalho. Quando comecei a ler o livro, não conseguia imaginar o DiCaprio para esse papel (pois a visão que tenho dele é muito oposta a de Jordan). Mas foi muito bom ver que DiCaprio conseguiu passar com exatidão características muito próximas ao personagem.

Tanto livro quanto o filme são recomendadíssimos.