Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581634166
Ano: 2014
Páginas: 176
Tradutor: Henrique Monteiro

Resolvendo o crime. Uma expressão facial por vez. O ano letivo de Colin Fischer acabou de começar. Ele tem cartões de memorização com expressões faciais legendadas, um desconcertante conhecimento sobre genética e cinema clássico e um caderno surrado e cheio de orelhas, que usa para registrar suas experiências com a MUITO INTERESSANTE população local. Quando um revólver dispara na cantina, interrompendo a festinha de aniversário de uma das garotas, Colin é o único que pode investigar o caso. Está em suas mãos provar que não foi Wayne Connelly, justamente aquele que mais o atormenta, que trouxe a arma para a escola. Afinal de contas, a arma estava suja de glacê, e Wayne não estava com os dedos sujos de glacê…

proibido

Introdução

Em Colin Fischer, conheceremos um garoto que tem o nome de Colin, tem 14 anos e está começando o ensino médio. Colin é portador da sindrome de Asperger, não gosta de ser tocado, se sente incompreendido pelos outros e há a transição para o ensino médio. Ele é fascinado por expressões faciais, onde anota tudo em um caderno. Nesse caderno há varias anotações, tabelas e esquemas. No colégio, Colin tem finalmente a oportunidade de solucionar: uma arma é disparada na cantina do colégio, as suspeitas apontaram para Wayne Connely, um garoto do qual Colin não gosta nenhum pouco.

Narrativa

Confesso que o que mais gostei da narrativa como um todo foi as anotações de Colin, o livro é feito em terceira pessoa, o que me desagradou bastante. Acho que o livro tinha muito a ganhar, se fosse sobre os olhos de Colin.

Colin é muito inteligente, tem um QI altíssimo, porém, é visto como estranho e diferente penrante aos outros. Não é todo mundo que consegue compreendê-lo e o mundo particular em que ele vive. O seu cotidiano na escola nem chega perto ao ideal. Wayne tem grande parte nesse descontentamento, um garoto que vive enchendo a paciência de Colin.

A leitura é bem rápida, conclui em cerca de uma hora. Não há grandes mistérios ou palavras rebuscadas. Quando Wayne fica quase como culpado do incidente da cantina, Colin se junta a ele e começa a ver o quão é ruim pre-julgar alguém antes de ter certeza. A inocência e pureza de Colin me encantou. Mas o que mais me afetou durante a leitura, foi o afastamento criado pela escolha de narrar essa história em terceira pessoa. Distanciou dos propósitos e afastou um pouco o personagem do leitor.

Diagramação

Inicialmente, confesso que tinha gostado muito da capa do livro, mas ao ler ao livro, senti a necessidade da capa ser exatamente com o caderno surrado do Collin, pra mim seria muito mais chamativo do que a editora propôs. Porém, ela não deixa de refletir o personagem, analisando os comportamentos através das expressões.

Considerações Finais

Resumindo, é um livro bastante elaborado, cheio de informações do caderno do Colin, poderia ser feito melhor, mas cumpre seu objetivo. De conhecer um pouco do personagem e juntamente com ele, resolver o mistério do disparo na cantina. Será que Wayne é o verdadeiro culpado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*