Flash Forward

Edição: 1
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501089823
Ano: 2014
Páginas: 384
Tradutor: Ana Carolina Mesquita

O que faria se tivesse um vislumbre trágico do seu próprio futuro? Tentaria mudar as coisas, ou aceitaria que o futuro é imutável? Em Flashforward – Presságio do Futuro, é iniciada uma experiência científica que conduz ao inesperado: o mundo inteiro cai inconsciente por instantes e todas as mentes são projectadas vinte anos no futuro. Quando a humanidade desperta, o caos impera por todo o lado: carros arruinados, cirurgias falhadas, quedas, destruição em massa e um elevado número de mortes. Mas esse é apenas o início. Passado o choque das visões, cada indivíduo tenta desesperadamente evitar ou assegurar o seu próprio futuro vislumbrado… Expondo as perspectivas de várias personagens, Robert J. Sawyer realiza uma brilhante reflexão filosófica sobre viagens no tempo, consciência, destino e o que significa ser humano. “Uma reflexão criativa e profunda sobre o destino, o livre arbítrio e a natureza do universo.” Publishers Weekly “Sawyer apresenta uma abordagem original ao tema das viagens no tempo numa história que explora as consequências de se conhecer o futuro. Uma boa escolha para apreciadores de ficção cientifica.” Library Journal 

proibido

Introdução

Em Flash Foward, a trama se passa em 2009, o CERN (Organização européia para pesquina nuclear) faz um experimento e pessoas desmaiam por poucos minutos e vislumbram o futuro delas há 21 anos. Não pense que tudo aconteceu bonitinho e certinho, ocorreram vários acidentes que culminaram em mortes. Theo e Lloyd são os responsáveis por esse experimento e por um lapso (acredito eu) resolvem contar ao mundo que eles foram os responsáveis o que acaba deixando o povo totalmente revoltado, culpando e responsabilizando o CERN por todas essas mortes. Esse é o clima que permeia Flash Foward.

Narrativa

Flash Foward é narrado em terceira pessoa e de maneira bem objetiva. Não existem muitos detalhes ao longo da trama. Considero um livro completo, pois conseguiu passar sua principal ideia: refletir como seria se por acaso um dia acontecesses, como as pessoas reagiriam a isso.

Quando essas pessoas vislumbram o futuro, muitas ficam descontentes e fazem o possível para que ela não aconteça. Ou seja, querem mudar o futuro após vislumbrá-lo. A narrativa flui muito bem, apesar dos termos científicos colocados nela. Um ponto positivo é que esse tal presságio do futuro pode ser tão perigoso e problemático. Eu nunca fui muito fã de descobrir o destino. Quando ele foi imposto a essas pessoas, realmente é algo para o qual nenhum ser humano deveria mexer. Pois com certeza, se não for do agrado, causará problemas – como acontece durante o livro – inimagináveis.

Diagramação

A capa foi o segundo atrativo a me aventurar nesse livro. O primeiro foi a indicação de amigos próximos, o segundo é que acredito que a Galera fez um excelente trabalho com o livro. Não encontrei erros graves e nenhum defeito que pudesse atrapalhar a narrativa.

Considerações Finais

O único “defeito” é o linguajar científico em demasia, para leitores mais detalhistas e que pouco compreendem a linguagem, o desânimo pode ocorrer no primeiro capítulo. Analisando como um todo, o livro consegue passar bastante conteúdo. O livro ganhou uma série, mas ela ficou apenas na primeira temporada. Eu confesso que fiquei bastante curiosa para assistir a série, mesmo que tenha sido cancelada. Ver o universo de Robert J. Sawyer e adentrar a CERN.