Palavras Envenenadas

Edição: 2011
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788563219251
Ano: 2011
Páginas: 256
Tradutor: Carla Raqueli Navas Lorenzoni
Comprar: R$17,50 (FNAC)

Às vezes, a verdade permanece oculta na escuridão e só aparece ao se abrir uma janela. O que aconteceu com Bárbara Molina? Seu corpo nunca foi encontrado e nunca conseguiram provas para deter nenhum culpado. Uma ligação, para um celular, coloca o destino de muitas pessoas de cabeça para baixo: um policial que está para se aposentar, uma mãe que perdeu a esperança de encontrar sua filha desaparecida, e uma garota que traiu sua melhor amiga. Palavras Envenenadas é a crônica de um dia que passa rapidamente, lutando contra o tempo e protagonizado por três pessoas próximas a Bárbara Molina, que desapareceu misteriosa e violentamente quando tinha 15 anos. Um enigma que, depois de 4 anos, sem ser resolvido, começa a ser desvendado com novas provas. Uma história de suspense e mentiras, segredos, enganos e falsas aparências que aponta alguns mitos inquestionáveis.

proibido

Introdução

É o primeiro livro que leio da autora. Confesso que me deixou com gosto de quero mais nas pontas dos dedos. O livro é forte, tem atitude e qualquer mulher gostaria de se sentir assim. Forte, guerreira e determinada.Afinal, é um livro escrito por uma mulher.

Narrativa

Maite consegue prender o leitor desde o início. Barbara é uma personagem muito forte mesmo estando nas circunstâncias em que estava. Embora tenha lutado muito contra si e contra o seu inimigo. A trama tem um ritmo aceitável e muitas vezes se parece com uma montanha russa, pois ela nos leva a um misto de sensações que provocam calafrios. É uma temática delicada, pois infelizmente está em nosso cotidiano. Cárcere e abusos estão espalhados pelos jornais e pelos programas sensacionalistas que noticiam vidas trágicas e situações iverreversíveis. É um livro para quem tem estômago. Quem não se choca com os relatos de Barbara Molina, provavelmente não a compreende em sua complexidade. Não só os relatos de Barbara fazem o livro ficar interessante, sua amiga Eva, sua mãe, seu pai e os detetives/policiais, dão maior corpo para a trama, não sendo somente vista de uma maneira.São vários momentos que deixam a narrativa muito rica e encorpada.

Momento Macchiato

“Tenho medo, tenho muito medo. Volto a sentir medo e me escondi debaixo da cama, encolhida, lembrando o pânico que tinha ao ouvir seus passos, temendo seus ataques de ira e seus castigos desumanos. Quando me privava da comida, sofria câimbras e fisgadas no estômago, não sabia se eram  de fome ou se eram de ângustia”- pág 89

Considerações Finais

Maite me surpreendeu. Porém, não é qualquer leitor que vai gostar do modo como leva sua estória. Pois ela não proporciona tantos momentos de alegria, o livro não tem essa pretensão de ser um livro que enche seu coração de amor. É um amor à la espanhol. Bruto e selvagem. E me arrisco a dizer, nojento. Nojento pelas atitudes e nojento pelo modo como se mantém um segredo desses. Maite é muito talentosa e corajosa. Espero ler em breve mais um livro dessa autora.