Edição: 2
Editora: Editora Globo – Biblioteca Azul
ISBN: 9788525055569
Ano: 2013
Páginas: 192
Tradutor: Deisa Chamahum Chaves

A cidade inteira dorme é uma coletânea de treze contos dos mais representativos do prolífico e premiado Ray Bradbury, em tradução de Deisa Chamahum Chaves e com prefácio de Carlos Vogt. Ray Bradbury não gosta de ser referido como autor de ficção científica. E por um bom motivo: ele não é um autor de ficção científica. Ao menos segundo o senso comum sobre o gênero, baseado em fantasias futuristas nas quais a descrição dos artefatos, da tecnologia, é fundamental. Ao contrário, em Bradbury o fundamental é a condição humana de seus personagens. Ele usa as convenções do gênero fantástico para tornar nosso fantasmas mais reais. Nas narrativas incluídas em “A cidade inteira dorme e outros contos breves”, o ficcionista norte-americano oscila entre o terror psicológico, as alegorias mágicas e a invenção de mundos alternativos – às vezes fundindo-se num único relato, mas sempre fazendo com que a imaginação seja um elemento inerente à realidade.

proibido

Sobre autor

Ray Douglas Bradbury (Waukegan, 22 de agosto de 1920 — Los Angeles, 6 de junho de 2012) foi um escritor de contos de ficção-científica norte-americano de ascendência sueca. Foi o terceiro filho de Leonard e Esther Bradbury. Por causa do trabalho de seu pai (era técnico em instalação de linhas telefônicas), viajou por muitas cidades dos Estados Unidos, até que em 1934 sua família fixou residência em Los Angeles, Califórnia. Morreu aos 91 anos1 , de causas não divulgadas. Bradbury é mais conhecido pelas suas obras The Martian Chronicles (Crônicas Marcianas) (1950) e Fahrenheit 451 (1953).

[divider]

Introdução

A Cidade Inteira Dorme é um livro que contém 14 contos, onde os temas são voltados para o cotidiano e o sobrenatural em meio a isso. Temos suspense e horror combinados com palavras de um ótimo autor. Será que preciso dizer que adorei? Uma pena não poder ter mais livros do autor, já que o mesmo faleceu aos 91 anos.

Narrativa

Apesar de não ter livro o livro que tornou Ray conhecido (Farenheit 451), tanto nesse como no outro livro que li dele, pude perceber o seu talento e sua vocação para tal. Como são contos, todos os textos são algumas poucas páginas, mas conseguem nos fazer sentir um misto de coisas que nem todos os livros conseguem em muitas páginas.

Sempre tem aquela frase famosa, de que tamanho não é documento, em literatura também se deve a quantidade de páginas. Existem livros menores que nos mostram mais coisas do que os que são enormes tragédias.

O conto que mais me interessei foi O Lixeiro, todos tem alguma critica social. Me senti lendo algo que talvez o Luis Buñuel (cineasta espanhol que fazia filmes de total crítica social/econômica).  Ray com certeza, foi um romancista visionário.

Ambos por mim são considerados a frente de seu tempo, não sendo muito reverenciados. Mas que ganham total crédito pelo brilhantismo de suas obras.

Diagramação

O capricho da editora Biblioteca Azul, foi imenso. Capa totalmente chamativa e curiosa. Impresso num papel pólen de qualidade, provando o carinho e cuidado com uma obra digna dessa atenção.

Considerações Finais

Leitura obrigatória para todo leitor que aprecia boa escrita. Que gosta de contos e esteja disposto a vivenciar o deslumbre e os mistérios das palavras de um grande autor. A Cidade Inteira Dorme, com certeza está entre meus livros de contos favoritos.