Hellblade: Senua’s Sacrifice

Hellblade: Senua’s Sacrifice trata-se de um game single player com visão em terceira pessoa que combina vários gêneros como ação, aventura, quebra cabeças e terror psicológico, desenvolvido pela Ninja Theory e publicado pela Sony, inicialmente, sendo exclusivo de PS4 e PC, porem após um tempo essa exclusividade foi quebrada tendo assim sua versão para XBOX ONE e depois de um certo tempo a Ninja Theory foi adquirida pela Microsoft e agora  faz parte da Microsoft Games Studios e possui uma versão para Nintendo Switch.

Baseando-se das mitologias celta e viking, o estúdio britânico criou a personagem que empresta seu nome ao título e de forma surpreendente recorreu a algo tão interessante quanto arriscado para torná-la mais humana: fazer com que Senua sofresse de psicose. Isso poderia ser encarado por alguns como uma estratégia barata para chamar a atenção, mas bastará alguns poucos minutos dentro do jogo para percebermos que a ideia foi brilhante.

Nascida numa aldeia celta que foi isolada das demais pelos romanos, Senua aos poucos começou a ter visões e a ouvir vozes. Para os que conviviam com ela, aqueles eram sinais de poderes sobrenaturais, fazendo com que a garota se isolasse numa floresta. Com o tempo o exílio chegou ao fim, mas quando ela voltou para casa descobriu que o amor da sua vida tinha sido cruelmente assassinado por invasores vikings.

Em busca de vingança e planejando trazer o amado de volta à vida, Senua parte em uma perigosíssima viagem rumo ao inferno nórdico, onde pretende enfrentar a deusa Hela e assim conseguir se redimir. Durante o caminho ainda conheceremos um pouco da mitologia viking, mas o que já seria uma tarefa quase impossível se torna muito mais complicada devido aos problemas mentais da guerreira. E é aí que o Hellblade se destaca.

Grande parte do sofrimento que somos submetidos a encarar junto com a protagonista vem das vozes que ela houve constantemente. Usando uma técnica conhecida como som bineural, onde os efeitos nos dão a impressão de estarem vindo de várias direções, é angustiante a maneira como as vozes tentam interferir nas ações de Senua, ora dando dicas valiosas, ora tentando desencorajá-la. Com uma execução tão brilhante, o conflito psicológico vivido pela personagem acaba nos afetando, mas para que isso aconteça é obrigatório jogarmos com fones de ouvido.

O jogo também brilha ao nos apresentar diversas alucinações visuais, umas mais sutis, outras bastante explicitais, chegando até a momentos em que Senua parece se desligar do mundo a sua volta. Aliás, o Hellblade: Senua’s Sacrifice também flerta com a representação da depressão, problema que pode estar diretamente relacionado à psicose e que obviamente era ainda menos compreendido há alguns séculos.

No entanto, apesar de todo o primor técnico na parte sonora e visual, o jogo não pode ser considerado impecável quando se trata de sua jogabilidade. O principal defeito do Hellblade está nas suas batalhas, que embora consigam entregar um nível de desafio bem elevado, são muito simples e repetitivas. Isso se deve desde a pouca variedade de inimigos até os movimentos, fazendo com que cada combate pareça apenas uma mera repetição dos anteriores.

Também pode desagradar um pouco os quebra-cabeças com os quais nos depararemos de tempos em tempos. No geral eles apenas exigirão que encontremos certos padrões nos cenários e se durante a aventura eu não consegui entender muito bem como eles se encaixavam no enredo, depois tudo passou a fazer mais sentido. Ainda assim, o desafio proposto por eles será bem baixo.

Conclusão

Hellblade: Senua’s Sacrifice é mais um daqueles casos de jogo que peca em alguns aspectos, mas que acerta muito por oferecer uma narrativa espetacular e por usar as próprias características da mídia para incrementar a história. Se pensarmos nele apenas como um game, talvez não se trate de um muito acima da média, mas ao olharmos para a criação da Ninja Theory como a experiência como um todo que ela se propõe a oferecer, aí estamos falando de uma das obras mais sensacionais dos últimos tempos.

O jogo está disponível para XBOX ONE, PS4, PC e Nintendo Switch, também está disponível no gamepass, serviço de aluguel de jogos da Microsoft.

Filipe Bastos – Gamertag: DanteRJ

Deixe seu comentário