O Irmão Alemão

ISBN: 9788535925159
Ano: 2014 / Páginas: 240
Idioma: português
Editora: Companhia das Letras

O Irmão Alemão – A narrativa se estrutura numa constante tensão entre o que de fato aconteceu, o que poderia ter sido e a mais pura imaginação. Na São Paulo dos anos 1960, o adolescente Francisco de Hollander, ou Ciccio, encontra uma carta em alemão dentro de um volume na vasta biblioteca paterna, a segunda maior da cidade. Em meio a porres, roubos recreativos de carros e jornadas nem sempre lícitas a livros empoeirados, surgem pistas que detonam uma missão de vida inteira. Ao tentar traçar o destino de seu irmão alemão, parece também estar em jogo para o narrador ganhar o respeito do pai, que, apesar dos arroubos intelectuais de Ciccio, tem mais afinidade com Domingos, ou Mimmo, seu outro filho, galanteador contumaz, leitor da Playboy e da Luluzinha, e sempre a par das novas sobre Brigitte Bardot. A despeito das tentativas de mediação da mãe, Assunta – italiana doce e enérgica, justa e com todos compreensiva -, a relação dos irmãos é quase feita só de silêncio, competição e ressentimento.
Num decurso temporal que chega à Berlim dos dias presentes, e que tem no horror da ditadura militar brasileira e nos ecos do Holocausto seus centros de força, O irmão alemão conduz o leitor por caminhos vertiginosos através dessa busca pela verdade e pelos afetos.

proibido

Introdução

Quem me conhece, sabe o quanto eu gosto de ler os livros do Chico, pois é sempre um brinde a boas histórias e personagens. Dessa vez, não foi diferente.

Em O irmão alemão, a mescla de ficção e realidade ganha tona, o pai de Chico (Sergio Buarque de Holanda), teve um filho na Alemanha da década de 30, filho com o qual seus filhos brasileiros nunca tiveram contato. Ciccio encontra uma carta no meio de um livro onde a antiga namorada do pai conta sobre a existência de seu filho. Ciccio, começa então uma busca por esse irmão.

Sobre Chico Buarque

Chico Buarque sempre se destacou como cronista nos tempos de colégio; seu primeiro livro foi publicado em 1966, trazendo os manuscritos das primeiras composições e o conto Ulisses, e ainda uma crônica de Carlos Drummond de Andrade sobre A Banda. Em 1974, escreve a novela pecuária Fazenda modelo e, em 1979, Chapeuzinho Amarelo, um livro-poema para crianças. A bordo do Rui Barbosa foi escrito em 1963 ou 1964 e publicado em 1981. Em 1991, publica o romance Estorvo (vencedor do Prêmio Jabuti de melhor romance em 1992) e, quatro anos depois, escreve o livro Benjamim. Em 2004, o romance Budapesteganha o Prêmio Jabuti de Livro do Ano. Em 2009, lança o livro Leite Derramado, que também recebe o Prêmio Jabuti de Livro do Ano. Oficialmente, a vendagem mínima de seus livros é de 500 mil exemplares no Brasil.

Narrativa

A narrativa é intimista, em primeira pessoa e temos todos pensamentos e descobertas de Ciccio. É um livro que demanda muita atenção, pois os pensamentos de Ciccio são bem fluídos e ágeis, em alguns momentos, o ritmo desacelera. Em um misto de imaginação e acontecimentos, vamos emergindo na trama. Todos os personagens são desenvolvidos em um misto de magia, Mimmo é um dos mais importantes e que mais se destacam.

Diagramação

O trabalho gráfico está impecável, em nenhum momento tive dificuldade com a leitura. A capa é simples, porém, faz analogia com o tema.

Considerações Finais

Em O Irmão Alemão, você encontrará a busca pelo irmão, trechos de relatos da ditadura militar e nazismo, muitas referências literárias e a famosa junção entre ficção e não-ficção. É um livro muito interessante, porém, ainda não chega aos pés de Budapeste, meu livro favorito do autor.