Resenhas

O Voo da Libélula – Michel Bussi

O Voo da Libélula

Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião cai na fronteira entre a França e a Suíça, deixando apenas uma sobrevivente: uma bebê de 3 meses. Porém, havia duas meninas no voo, e cria-se o embate entre duas famílias, uma rica e uma pobre, pelo reconhecimento da paternidade.

Numa época em que não existiam exames de DNA, o julgamento estende-se por muito tempo, mobilizando todo o país. Seria a menina Lyse-Rose ou Émilie? Mesmo após o veredicto do tribunal, ainda pairam muitas dúvidas sobre o caso, e uma das famílias resolve contratar Crédule Grand-Duc, um detetive particular, para descobrir a verdade.

Dezoito anos depois, destroçado pelo fracasso e no limite entre a loucura e a lucidez, Grand-Duc envia o diário das investigações para a sobrevivente Lylie e decide tirar a própria vida. No momento em que vai puxar o gatilho, o detetive descobre um segredo que muda tudo. Porém, antes que possa revelar a solução do caso, ele é assassinado.

Após ler o diário, Lylie fica transtornada e desaparece, deixando o caderno com seu irmão, que precisará usar toda a sua inteligência para resolver um mistério cheio de camadas e reviravoltas.

Introdução

Sinceramente, depois de uma maratona de Lost, leitura de Os Três e agora fechando com chave de outro O Voo da Libélula, não pego um avião tão cedo. Sério. hahaha, mentira, Bienal tá chegando ♥

Em O Voo da Libélula, um avião cai na fronteira entre a Suiça e a França, apenas um bebê de 3 meses sobrevive. Entretanto, havia duas menininhas no voo, qual delas sobreviveu? Esse é apenas o primeiro mistério abordado na trama. Tem muito mais!

Sobre Michel Bussi

Escritor francês de romances policiais, analista político e Professor de Geografia na University of Rouen.

Narrativa

A narrativa é alternada, mas é de fácil compreensão. A cada descoberta, vemos que há uma consequência e uma reação bastante peculiar entre os personagens.

Infelizmente, naquela época não existia a possibilidade de fazer um exame de DNA. Duas famílias vão brigar pelo reconhecimento da sobrevivente. Seria ela Émillie ou Lyse-Rose? O caso vai parar na justiça e claro é um julgamento altamente mobilizado por todo o país. Uma família rica e a outra pobre. Uma das famílias contrata o detetive particular, Crédule Grand-Duc, para tentar descobrir.

É difícil falar de um livro que se gosta tanto, pois o risco de spoilers é eminente. Não bastou o acidente de avião, muitas coisas após ele criam mistérios, crimes e desaparecimentos.

O que mais me encantou na narrativa, foi não ter uma resposta definitiva previamente. Se busca um livro que deixe tudo prontinho, irá se decepcionar. Pelo contrário, o que ganha força é justamente deixar o leitor pensar, refletir e tomar sua própria conclusão. Ou seja, cada leitor vai reagir de forma diferente. Tem algo mais interessante que isso?

A única coisa que me incomodou um pouco, foi na criação dos personagens, embora tenham suas diferenças. Confesso que não me afeiçoei a nenhum. Os acontecimentos dão mais empolgação do que os próprios personagens. Espero que na adaptação cinematográfica, explorem mais os personagens.

Capa/Diagramação

Gostei bastante da capa, embora ela não tenha sido o motivo da escolha da leitura, ela explora todo o mistério contido na trama. A diagramação é um padrão estabelecido pela editora. Não foram encontrados erros que comprometam a leitura como um todo, pelo contrário, foi muito bem revisado.

Considerações Finais

O voo da libélula é um livro que vai te fazer refletir, vai ter de utilizar o seu faro para captar as respostas das perguntas que vão se construindo ao longo da narrativa.

Harlan Coben que me perdoe, mas estou fascinada pela escrita do Michel. Agora tenho dois autores maravilhosos que ficam lado a lado na minha estante dos livros que mais gosto ♥

What's your reaction?

Excited
0
Happy
0
In Love
0
Not Sure
0
Silly
0
Aymée Meira
Aymée, mas pode me chamar de Amy. Adora um bom café, filmes (já perdi a conta de quantos vi) e livros dos mais diversos gêneros, incluindo eles Stephen King, Agatha Christie, Joe Hill, Harlan Coben e Tess Gerritsen.

Você também pode gostar

Mais em:Resenhas

1 Comentário

  1. gostei do livro, faz tempo que eu nao leio um assim, cheio de misterios pra me deixar curiosa, e ainda mais esse suspense,vai saber se a menina é a nao foi criada com a familia errada.

  2. a primeira vez que eu ouvi falar desse livro não me atraiu muito (a capa achei linda, mas meio tá uma libélula e?) mas cada vez que eu leio algo sobre ele eu fico curiosa para ler. faz tempo que eu não leio nenhum mistério bom, e essa questão de algo que hoje seria tão fácil de resolver (teste de DNA e em algumas horas temos resposta) na época era um problema, fiquei muito curiosa para saber como ele resolve

  3. Nossa, já tinha visto o livro por aí, mas não imaginei que ele fosse me agradar tanto assim. Adoro a escrita do Harlan, mas se você está dizendo que o Michel te agradou tanto, preciso dar uma chance para ele também. Sem contar que adoro essa teia de mentiras e segredos que vão sendo desvendados ao longo da narrativa. Foi para a minha lista!

  4. Amy!
    Estilo de livro que mais gosto com mistério, um pouco de suspense e um livro policial, misturado a um tantinho de nada de fantasia.
    Quero ler demais.
    “A amizade duplica as alegrias e divide as tristezas.”(Francis Bacon)
    Cheirinhos
    Rudy

  5. Desde o lançamento desse livro que fiquei curioso pra ler. Sou louco por essa pegada de mistério que esse aparenta ter. E essa parte de fazer o leitor refletir e tirar suas próprias conclusões também me agrada. Somando-se a isso, essa narrativa parece ser um ponto extremamente forte do autor. Então, não tem como não querer ler.
    @_Dom_Dom

Os comentários estão fechados.