direitos

O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares – Ransom Riggs 

orfanato_review

 

Edição: 1
Editora: Leya
ISBN: 9788580442670
Ano: 2012
Páginas: 336
Tradutor: Edmundo Barreiros

Tudo está à espera para ser descoberto em O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares, um romance inesquecível que mistura ficção e fotografia em uma experiência de leitura emocionante. Nossa história começa com uma horrível tragédia familiar que lança Jacob, um rapaz de 16 anos, em uma jornada até uma ilha remota na costa do País de Gales, onde descobre as ruínas do Orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares. Enquanto Jacob explora os quartos e corredores abandonados, fica claro que as crianças do orfanato são muito mais do que simplesmente peculiares. Elas podem ter sido perigosas e confinadas na ilha deserta por um bom motivo. E, de algum modo – por mais impossível que pareça – ainda podem estar vivas.

Introdução

Desde seu lançamento, foi um livro que me chamou bastante atenção. Uma sinopse bastante criativa e uma capa bastante voltada pra um gênero que adoro ler e tenho contato constante. Só tenho elogios para o mesmo, pois me cativou em cheio. Era o livro que pensei imaginei.

Narrativa

A trama resumidamente é protagonizada e narrada por Jacob, um garoto que recebe uma carta e um livro de seu finado avô e vai até uma ilha no País de Gales e lá encontra um novo mundo, não tão novo pois era descrito pelo mesmo. Descobertas sobre seu avô e sobre por onde passou tanto tempo. Jacob não somente entrará em contato com essas pessoas, como também conhecerá mais sobre si mesmo. É um livro que abrange uma jornada pessoal e bastante tumultuada de ações.

A narrativa de Ransom não é cansativa, é cheia de altos e baixos e situações bastante inusitadas. Outro ponto positivo é a forma de como a narrativa é apresentada, ela interage com as fotos que estão no livro. São fotos que são autênticas e algumas foram somente modificadas para serem inseridas no livro. Algumas fotos são personagens que aos poucos ganham corpo, nome e vida ao leitor.

Diagramação

A Leya caprichou na diagramação do livro. Principalmente, na capa é perfeita, sem muita informação, porém com uma imagem que remete a áurea do livro. O suprassumo da narrativa de Biggs. Achei que a letra utilizada no livro ficou um pouco apertada, o que dificultou a minha leitura noturna. Li o livro numa noite e só o larguei quando amanhecia e eu finalmente tinha terminado. A cada começo de capítulo tem uma folha negra. As imagens coletadas por colecionadores e também aparecem somete em um fundo negro diferente do começo dos capítulos. Há um capricho e uma delicadeza grotesca. Não são imagens puramente bonitas, são curiosas e algumas bastante perturbadoras.

Quotes favoritos

Nós peculiares somos abençoados com habilidades que as pessoas comuns não têm, tão infinitas em suas combinações e variedades quanto outras na pigmentação da pele ou no arranjo de seus traços faciais. Dito isso, há habilidades em comum, como ler pensamentos, e outras mais raras, tal qual a forma como eu manipulo o tempo. – 146

 

“Eu não tinha a mínima ideia do que estava acontecendo comigo. Só compreendia duas coisas: que eu muito provavelmente estava em pleno processo de enlouquecer e que precisava me afastar das pessoas até que pudesse compreender o que estava acontecendo.” – 121

Considerações Finais

Um dos livros que mais me encantou recentemente. Pela criatividade, pela criação de um mundo novo (muito embora, não acho que ninguém em sã consciência queira visitar). Biggs me surpreendeu. Um estreante bastante peculiar. Espero ler muitos livros do autor. Tem potencial para novas criações.

O livro é uma surpresa agradável, cumpre sua função e concordo com o Tim Burton, ele poderia ter escrito o livro, mas não contente com isso, a adaptação para o cinema será dele. É uma informação ótima, pois Burton seria a pessoa indicada para uma trama assim. Sinto saudade de ver mais Burton do que Disney na tela.

É o meu livro favorito do ano, até o momento.

comentários

  1. Preciso muito desse livro por diversos motivos. Primeiro porque essa atmosfera sombria do enredo me atrai muito, sempre gostei do lado macabro das coisas hehe. Segundo porque a Leya caprichou bastante no trabalho gráfico do livro, adorei as fotos que intercalam as páginas, a capa também está demais. Aliás, a Leya sempre costuma caprichar, né.

    E, bom, como boa fã do Burton e sabendo que será dele a adaptação cinematográfica, já é um motivo e tanto para ir me familiarizando com a história. Estou realmente empolgada com essa adaptação, com expectativas, já que não curti tanto os últimos que vi do diretor (Frankenweenie e Alice, apesar de Sombras da Noite ter sido ok).

    Bj
    Livro Lab

  2. Oieeee!!

    Já li este livro e já resenhei, mas não resisti de vir aqui ler sobre ele novamente, de tanto que gostei!!!

    Eu achei perfeito em tudo!!

    E sua resenha me encantou. E que bom que também é seu livro favorito até o momento, pq é o meu também.

    Se puder passa lá no blog e veja a minha resenha. Tirei uma foto como peculiar, acho que você irá gostar, rsrs.

    Bjkas

    Alessandra Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    Ah! Depois de um século eu vi seu recado, perdão. Já coloquei seu banner no blog!! Bjkas de novo

  3. Aymée, concordo inteiramente com o que escreveu em sua resenha, um livro maravilhoso, com personagens muito intrigantes. Foi tb meu preferido do gênero nesse 2013.
    Adorei, assim como adorei sua resenha.
    Beijinhos.
    Viviane
    RR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*