Sonhos Realizados – Sharon Kendrick
sonhos_review

Edição: 130
Editora: Harlequin Books
ISBN: 9788576877813
Ano: 2009
Páginas: 183
Tradutor: Eugenio Barros

Quando o marido de Emma, um bilionário siciliano soube que ela não poderia ter filhos, seu casamento terminou. Porém ao retornar a Inglaterra descobriu que um milagre havia acontecido: ela estava grávida!
Incapaz de pagar suas contas, Emma se vê forçada a pedir ajuda a Vicenzo. Agora que sabe que será pai, ele reivindicará seu herdeiro! E se a mãe do seu filho quiser permanecer com a criança, terá de voltar para ele…

proibido

Introdução

Recentemente tive uma overdose de compras de livros da Harlequin. Aqui em São Paulo, tem um sebo onde os vende a um preço bastante acessível.

Narrativa

A premissa do livro é Emma está com dificuldades financeiras e vai atrás de Vincenzo para pedir o divórcio e por consequência ajudá-la nessa situação. Eles ainda estão casados, porém não vivem há algum tempo juntos. Vincenzo não sabia que Emma havia gerado um filho seu, quando ela o encontra lhe conta e ele mal acredita. Vincenzo se dispõe a conhecê-lo e aos poucos vai se afeiçoando tanto em Emma quanto no seu primogênito.

A narrativa de Sharon é bastante forte. O personagem Vincenzo não me agradou. Emma embora ouça várias provocações e insultos por parte do mesmo se vê acorrentada pelo amor avassalador que um tem pelo outro. Não é o tipo de narrativa que contém cenas bonitas, vistosas, pelo contrário, encontrará cenas forte com falas bastante insultantes. É um livro para quem gosta dos brutos. O que era para ser um fim, virou um grande recomeço.

Diagramação

Padrão da editora, com uma fonte agradável e o livro é bastante leve.

Quote favorito

“Emma tinha ido lá hoje, gastando dinheiro que mal poderia dispor numa passagem cara de trem, a fim de pedir ao seu “marido” o divórcio. Então, o que estava fazendo nos braços dele, deixando-o beijá-la, deixando seu corpo começar a desabrochar sob os toques mágicos? Aquele era o homem que a desprezava.” – página 37

Considerações finais

Para aquelas leitoras que gostam de algo mais bruto e bastante tumultuado. Confesso não me atrair com personagens brutos, pelo contrário, geram um tipo de antipatia.