Karou, uma estudante de artes plásticas e aprendiz de um monstro, por fim encontrou as respostas que sempre buscou. Agora ela sabe quem é – e o que é. Mas, com isso, também descobriu algo que, se fosse possível, ela faria de tudo para mudar: tempos atrás Karou se apaixonou pelo inimigo, que a traiu, e por sua culpa o mundo inteiro foi punido. Na deslumbrante sequência de Feita de fumaça e osso, ela terá que decidir até onde está disposta a ir para vingar seu povo. Dias de sangue e estrelas mostra Karou e Akiva em lados opostos de uma guerra ancestral. Enquanto os quimeras, com a ajuda da garota de cabelo azul, criam um exército de monstros em uma terra distante e desértica, Akiva trava outro tipo de batalha: uma batalha por redenção… por esperança. Mas restará alguma esperança no mundo destruído pelos dois

proibido

Introdução

O segundo livro de Laini Taylor, “Dias de Sangue e Estrelas” continua com o clima atípico. O segundo basicamente trabalha a guerra contra os monstros e onde finalmente Karou vai saber toda a verdade sobre sua vida anterior. Situações pendentes deixadas no livro anterior são respondidas da melhor forma, detalhada e bem articulada.

Narrativa

A narrativa de Dias de Sangue e Estrelas é feita em terceira pessoa, há novos personagens e novos pontos de vistas que não encontramos no primeiro livro.

Porém, não posso deixar de contar que como no primeiro livro, não é muito atrativa de início, pois a autora demora a pegar o leitor pela curiosidade. Mas quando ela “engata”, vai até o fim sem muita dificuldade. Quem procura um livro no qual de primeira será fisgado, terá dificuldade em se “adaptar” a narrativa da autora. Mas no geral, ela discorre super bem e criou uma grande história.

O que mais me agrada é que tanto Karou quanto Akiva são pergonsagens com defeitos e qualidades. Não se dá pra encarar um ou outro com dualismos. Pelo contrário, cada um tem sua falha.Não há um herói na trama de Laini.

Há varias lutas, apareceram vilões como nós conhecemos em outras histórias, mas não cabe aos protagonistas. Há sequências de tortura, afinal, uma guerra começou.

Tags  que definem o livro

#guerra #descoberta #criativo #personagensenvolventes #tramadetalista #redenção #escolhas

Diagramação

A diagramação seguiu o mesmo padrão de capa da anterior, na outra tinhamos o azul como cor, agora o vermelho. Há um mapa de Eretz no início do livro, local onde a trama se passa. Mais um ponto positivo pois temos uma pequena identificação desse lugar e que de fato deixa o leitor muito mais preso a aquele universo, através dessa imagem. A divisão do livro é feita por partes e a cada nova há uma frase e uma pena negra como detalhe.

Considerações Finais

Um livro que aguça a curiosidade do leitor, embora não o prenda rapidamente, ele deixa pendências importantes. A curiosidade é um sentimento constante nos livros da autora. Pois a cada livro me surpreende com suas escolhas. Mal posso esperar pelo próximo, embora esteja bem apreensiva com as mortes que poderão ocorrer nele.