Eu me chamo Antônio

Edição: 1
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580574357
Ano: 2013
Páginas: 192

Antônio é o personagem de um romance que está sendo escrito e vivido. Frequentador assíduo de bares, ele despeja comentários sobre a vida — suas alegrias e tristezas — em desenhos e frases escritas em guardanapos, com grandes doses de irreverência e pitadas de poesia. Antônio é perito nas artes do amor, está sempre atento aos detalhes dos encontros e desencontros do coração. Quando está apaixonado, se sente nas nuvens e nada parece ter maior importância, e, quando as coisas não saem como esperado, é capaz de enxergar nas decepções um aprendizado para seguir adiante. Do balcão do bar, onde Antônio se apoia para escrever e desenhar, ele vê tudo acontecer, observa os passantes, aceita conversas despretensiosas por aí e atrai olhares de curiosos. Caso falte alguém especial a seu lado (situação bastante comum), Antônio sempre se acomoda na companhia dos muitos chopes pela madrugada. A mente por trás de Antônio é Pedro Gabriel. Em outubro de 2012, ele inaugurou a página Eu me chamo Antônio no Facebook para compartilhar o que rabiscava com caneta hidrográfica em guardanapos nas noites em que batia ponto no Café Lamas, um dos mais tradicionais bares do Rio de Janeiro. Em seu primeiro livro, Pedro apresenta histórias vividas por seu alter ego, desde a cuidadosa aproximação da pessoa desejada, o encantamento e a paixão, até o sofrimento provocado pela ausência e a dor da perda. Os guardanapos que inspiram milhares de pessoas na internet agora estão reunidos numa caprichada edição, novo lançamento da Intrínseca.

proibido

Introdução

A popularidade de Pedro Gabriel em sua fanpage compartilhando suas imagens no guardanapo foi tamanha, que a Intrínseca decidiu publicar um livro com suas frases e desenhos. Eu já era frequentadora da fanpage de Pedro antes do lançamento do livro, sempre gostei das frases e desenhos do artista.

Antônio é um personagem que ainda não foi terminado, pelo contrário, ele está vivendo o momento e o agora. Em guardanapos ele discorre sobre suas descobertas e seus pensamentos (felizes e tristes).

Narrativa

O livro permite duas interpretações: pode ser lido em sequência, ou não.  Gosto de livros que brinquem com o imaginário e esse livro permite e convida a isso. As frases selecionadas geram bastante discussão, outras são meros jogos que palavras. Mas em sua maioria, denotam a inteligência do autor. A diagramação é um quesito a parte, pois ela também faz parte da interpretação que podemos dar a cada um dos guardanapos.

Algo tão simples quanto desenhar em guardanapos, vira arte nas mãos de um artista. As frases poéticas, inteligentes, divertidas e questionadoras tomaram proporções maiores ao londo do tempo. Mas eu acho que a graça está justamente aí, em poder transformar algo tão comum em algo diferente que inspire e façam as pessoas refletirem sobre o que está ali. Vivemos num mundo em constante movimento, cheio de informações e falta de tempo. Pedro Gabriel e seus guardanapos com Antonio promove a arte atual, rápida, única e que chama atenção de grandes massas.

Diagramação

O trabalho gráfico do livro é fantástico. Além de possuir um tamanho diferente do padrão, ele é muito bem diagramado com os guardanapos, fotos e imagens que aparecem ao longo do livro. O capricho da edição encanta.

Considerações Finais

Leitura rápida, reflexiva e muito bem feita. É o exemplo de um artista que nasceu nessa interação digital, pode conquistar vários tipos de classes. Adoro a acessibilidade que os desenhos e frase que o artista promove e compartilha por aí.

Alguns de meus guardanapos favoritos

Aqui estão alguns de meus guardanapos favoritos de Eu Me Chamo Antônio