Férias Infernais

ISBN-13: 9788501090829
ISBN-10: 8501090824
Ano: 2015 / Páginas: 272
Idioma: português
Editora: Galera Record
Compre pela Amazon

Mais uma vez, cinco grandes autoras se reúnem para contar histórias sobrenaturais… de férias que não se saíram muito como o planejado!

Acham perder a bagagem um grande problema? A viagem dos seus sonhos pode se tornar um pesadelo! Imagine ter de dividir os aposentos com uma bruxa rancorosa. E queimaduras de sol podem até ser ruins, mas nada se comparadas a uma maldição… Sombra e água fresca? Que nada. Todo mundo sabe que quando adolescentes saem de férias estão mesmo à procura de aventuras inesquecíveis.

Mas é preciso tomar cuidado com o que se deseja. Estes cinco contos sobrenaturais repletos de terror, vingança e maldições vão fazer você pensar duas vezes antes de escolher o próximo destino.

Introdução

Em Férias infernais, cinco autoras produziram 5 contos que tem como tema, viagens e situações ruins. Afinal, quem nunca teve alguma férias em que tudo parecia que estava predestinado a dar errado? Voltado para o terror, o livro tem uma mescla muito interessante de autoras andam fazendo muito sucesso tanto internacionalmente como aqui no Brasil.

*Para avaliá-los, fiz uma média e sendo assim, consegui dar uma nota para todos.

Sobre as autoras

Cassandra Clare

Cassandra Clare é uma escritora norte-americana, conhecida por escrever a série de livros best-seller Os Instrumentos Mortais. Ela nasceu no Teerã, no Irã, filha de pais norte-americanos e passou grande parte de sua infância viajando o mundo com a sua família, incluindo uma caminhada através do Himalaia quando criança. Ela morou na França, Inglaterra e Suíça antes de completar dez anos de idade.

Site oficialTwitterFacebook

Libba Bray

Libba Bray é uma autora de vários livros para adolescentes, tais como Belezas Perigosas, Anjos Rebeldes e, o último livro da trilogia Gemma Doyle, The Sweet Far Thing.

Site oficialTwitterFacebook

Maureen Johnson

Maureen nasceu na Filadélia, Pensilvânia. Atualmente mora em Nova Iorque, mas afirma que vive mesmo é no Twitter.

Site oficialTwitterFacebook

Claudia Gray

Claudia Gray é o pseudônimo de Amy Vicent, ela é uma escritora norte americana do gênero young adult.

Site oficialTwitterFacebook

Sarah Mlynowski

Sarah nasceu em Montreal, no Canadá. Após graduar-se com uma licenciatura em Inglês literatura da Universidade de McGill, ela se mudou para Toronto para trabalhar para Harlequin Enterprises. Livros de Sarah foram traduzidos para mais vinte e nove línguas. Ela agora vive em Nova York com o marido e duas filhas.

Site oficialTwitterFacebook

Edições estrangeiras

5168977 8724877 16204096 8600459 16152281 8474835

Narrativas / Personagens

Como são 5 contos, contarei a vocês as experiências que tive com cada um, não poderei analisar muito profundamente, ou se cansarão dessa resenha, afinal, é muita trama a ser analisada. Por isso, se tiverem alguma dúvida quanto a algum conto, por favor, fale via comentários que falarei mais amplamente da narrativa.

1. Cruzeiro, Sarah Mlynowski

Liz e Kristin, são melhores amigas e vão a um cruzeiro de 3 dias. Mas, algumas pessoas estão desaparecendo durante a viagem e quando os corpos são encontrados, algo sempre está faltando. Enquanto essa situação estranha acontece, Kristin está à procura do rapaz com quem perderá sua virigindade. É uma leitura que tende ao humor à todo momento. Pois enquanto rola um mistério, a menina tá preocupada com quem vai ter sua primeira relação. Sarah acerta no ponto, porém, os diálogos são pobres.  Pelo menos, a construção e do ambiente foi bem executada.

2. Não gosto da sua namorada, Claudia Gray

Cecily é uma jovem bruxa que irá passar – como de costume – as férias na praia onde é obrigada a conviver com sua inimiga mortal. Na viagem, conhece um garoto muito perfeito, porém, ele é namorado da garota que Ceci, odeia. Eu não me simpatizei muito pela progatonista, gosto de personagens mais emblemáticos e ela sofrendo toda temporada por uma menina que acaba sempre com suas férias, não foi plausível, visto que Ceci se mostra aos poucos muito virtuosa e inteligente, mas nada corajosa para assumir, pelo menos, antes do conto.

3. A lei dos suspeitos, Maureen Johnson

Marylou e Charlie são irmãs e vão passar as férias na França, mas acabam – alguns imprevistos acontecem – em uma cidade no interior do país, mas acabam descobrindo uma história que vai mudar o rumo da viagem que se tornou interessante e nada tedioso. É notável a referência a filmes de suspense, o conto tem um ritmo muito bom e aos poucos fica entregue a situação. Gostei das personagens e os diálogos são agradáveis.

4. A casa de espelhos, Cassandra Clare

Evan e Violet agora são irmãos (pai de Evan e mãe de Violet se casaram), durante a viagem de lua de mel de seus pais, sim, isso é meio estranho, mas a mãe de Violet insistiu para que eles fizessem parte. Durante essa viagem meio bizarra, Evan conhece uma mulher misteriosa. Violet, desde o primeiro momento sente que terá que ajudar Evan. Ela vai contar com ajuda de alguns empregados da casa onde estão hospeados. Lendas e segredos são revelados sobre a casa de espelhos. Eu sempre sou mais crítica com autores que já conheço, confesso que achei o conto bem batido, sei que Cassie tem potencial, mas em alguns momentos, até senti que não foi ela que escreveu. Uma pena.

Alerta: Se você ainda não leu nenhum outro livro dela, não tome como base.

5. Nenhum lugar é seguro, Libba Bray

Poe é um jovem recém formado e resolve fazer um mochilão pela Europa para comemorar seu feito na companhia de amigos. Quando o dinheiro para viagem fica curto, resolvem fazer uma rota mais barada e acabam indo a uma cidade chamada Necurantul e ali a história ganha corpo, um corpo surpreendente. Rituais e lendas de que os moradores antigos da cidade faziam com o diabo, para que a cidade prosperasse e nunca faltasse nada. Só que a cidade, atualmente, está prestes a ser destruída para que seja construida uma usina.

O meu favoritinho disparado, foi esse. Detalhado, personagens bem articulados e situações que provocam o medo da forma mais pura.

Capa & Diagramação

Sinceramente, a edição feita pela Galera Record dá um show nas capas estrangeiras.

Considerações Finais

O normal não tem vez em Férias Infernais, situações que abordam o sobrenatural e o suspense fazem parte da trama. Não tive dificuldades quanto ao fluxo da leitura. A antologia está bem organizada e possui bons contos e alguns, não tão bons assim… mas gosto é gosto, ninguém discute. É impossível gostar dos contos de maneira igual, pra mim, o conto de Libba Bray foi o melhor.

*Para avaliá-los, fiz uma média e sendo assim, consegui dar uma nota única para todos. 

Adquira seu exemplar pela Amazon