Mapas do Acaso – Humberto Gessinger 

Mapas do Acaso

Edição: 1
Editora: Belas Letras
ISBN: 9788560174775
Ano: 2011
Páginas: 144

Neste livro, Humberto Gessinger passa o passado a limpo, resgata momentos especiais da sua intimidade desde menino e conta novas velhas histórias dos Engenheiros do Hawaii, nunca antes publicadas. De Passo Fundo a Moscou, passando por “Esparta Alegre”, lembranças de um futuro que ele imaginava dão forma a essas linhas conduzidas pelos mapas do acaso. Para saber qualé a dele e da sua poesia, que é pura grandez a partir de coisas simples, é só embarcar… e seguir viagem…

proibido

Introdução

Confesso que nunca fui fã louca por Engenheiros, mas sempre tive um carinho por Humberto, seja nas letras, seja em suas entrevistas. É aquele tipo de pessoa que te cativa sem um motivo específico. O livro foi um presente. Como todos já sabem o quinto livro dele foi lançado a pouco, Nas Entrelinhas do Horizonte e é claro que estou bastante empolgada para lê-lo muito em breve.

Narrativa

A narrativa é um grande atrativo, a diagramação é um convite ao leitor. De um modo bem despojado entramos no universo do autor com a facilidade que vos escrevo essas palavras. Diversos assuntos são abordados, seja música, futebol, cotidiano e até pensamentos soltos. O que agrada é o modo como Humberto faz de um jeito bem humorado, certeiro e com argumentos válidos. É literalmente um passeio através dos relatos, histórias e letras. As palavras tem um toque a mais. Sinto a mesma sensação de quando leio um livro do Chico Buarque, uma precisão linguística que me agrada bastante.

Momento Macchiato

Essa passagem que selecionei me fez lembrar de um dos meus cineastas favoritos, Wim Wenders que num documentário sobre a visão falava sobre o óculos e a praticidade de lidar com uma lente à sua frente, sendo assim criando um olhar diferenciado para o seu trabalho.

“Me acostumei aos óculos e até estou curtindo esse filtro a mais, algodão entre cristais. Ele cria mais uma possibilidade de olhar: quando preciso, pulo o muro, olho por sobre a armação. O olho no olho, no que antes era uma obviedade, agora é uma conquista, tem mais sabor” – pág 19

Considerações Finais

O livro tem divisões interessantes,  as notas mentais escritas pelo autor sempre no começo de um novo assunto acabam por divertir. Tem um quê de ironia, sarcasmo e humor que me agrada mais ainda. No final do livro existem 45 letras compostas pelo autor, algumas contém algumas observações e as que mais gostei foram: Literata Onde Menos se Espera, Curta-Metragem e  Ela Sabe. A diagramação e as ilustrações são um atrativo a parte, fazem a leitura ficar leve e intimista.

Indicado para

é obrigatório para quem gosta de boa música. As reflexões de Gessinger são muito pertinentes e atrativas para nossa geração. Um livro muito interessante a cerca de diversos temas, até alguns que não condizem com música ou arte, mas pensamentos soltos da vida de um brasileiro que alcançou um patamar e pode ser ouvido por vários que estão em busca do seu próprio espaço. Da sua própria descoberta. É uma grande descoberta, porque anteriormente disse, eu não era fã do Engenheiros e nem de Humberto. Mas ao ler passei a gostar muito mais. Em meio ao mundo que acha que está perdido musicalmente, Gessinger pode ser o nadar contra a maré das grandes mídias.