Para Sempre – Kim e Krickitt Carpenter 

Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581630083
Ano: 2012
Páginas: 144
Tradutor: Ivar Panazzolo Júnior
Comprar: R$ 19,90

A vida que Kim e Krickitt Carpenter conheciam mudou completamente no dia 24 de novembro de 1993, dois meses após o seu casamento, quando a traseira do seu carro foi atingida por uma caminhonete que transitava em alta velocidade. Um ferimento sério na cabeça deixou Krickitt em coma por várias semanas. Quando finalmente despertou, parte da sua memória estava comprometida e ela não conseguia se lembrar de seu marido. Ela não fazia a menor ideia de quem ele era. Essencialmente, a “Krickitt” com quem Kim havia se casado morreu no acidente, e naquele momento ele precisava reconquistar a mulher que amava.

proibido

Introdução/Premissa

Estava bastante ansiosa para ler, pois o filme estreia em breve nos cinemas e fiquei curiosa quanto a história desse casal. Foi uma experiência bem breve, pois o livro é bem curtinho e não permite muitas viagens, apenas como se conheceram (de modo bem breve), como casaram, o acidente, a recuperação e a superação através da força de vontade de ambos. Mais de Kim, pela paciência e coragem de encarar esse momento delicado.

Narrativa

A narrativa é o relato desse casal, na maior parte construído por Kim, pois o dono da maior prova de amor ao meu ver foi o próprio. É leve e delicado. Me encantei pelo modo como se conheceram e viveram cruzando estados para estarem juntos. O começo pra Krickitt foi bem complicado, sair do estado onde nasceu para construir uma vida nova, uma carreira nova é digno de coragem, pois poucos se adaptam. Acabei o livro em poucas horas e isso me deixou um pouco desapontada, pelo fato de poucos detalhes serem abordados. Mas em uma conversa com uma amiga muito querida, ela me deu um argumento que coube perfeitamente. É uma história real, limpa e crua. Por isso a falta de criação dá um certo incomodo para quem gosta de uma ficção. Mesmo assim, foi uma experiência gostosa. Pois há uma lição bem interessante para quem lê.

Momento Macchiato

“Mesmo assim, investi a minha esperança naquelas lembranças. Eu sabia que elas poderiam ser a chave para que ela se lembrasse de nossa vida a dois, caso eu aparecesse em alguma delas. Num daqueles flashbacks, ela se viu sentada ao ar livre,, em uma mesa cercada por plantas tropicais exuberantes. Aquela era uma imagem de nossa lua de mel no Havaí, embora, infelizmente, eu não aparecesse no quadro. Mas eu me apeguei àquela memória, pois era mais um elo que ela tinha com seu, com o nosso, passado.” – pág 82

Considerações Finais

A maior lição do livro é. Amor ainda existe, mesmo que esteja escasso por aí. Ele EXISTE. Pretendo ver o filme assim que sair em cartaz onde eu moro. Estou ansiosa para ver, gosto muito da atriz que faz o papel da Krick. É incrível como se apega mesmo que em poucas páginas.