Primavera

Edição: 1
Editora: Biruta
ISBN: 9788578481384
Ano: 2014
Páginas: 432
Tradutor: Paulo Chagas de Souza

proibido

Introdução

Desde o lançamento, Primavera me chamou bastante atenção. Além de ter sido traduzido em vários idiomas. O livro de Oskar explora bastante a cultura da Estônia, o que me atiçou a leitura foi exatamente isso. É bastante difícil encontrar livros que sejam de países diferentes do eixo comum.

Em Primavera, Arno Tali e seus amigos vivem uma cidade no interior da Estônia, temos as atividades deles durante a escola paroquial e o cotidiano de uma cidade bucólica na Estônia.

Sobre Oskar Luts

Oskar Luts é o escritor estoniano favorito de muitas gerações. Suas inúmeras obras são principalmente romances e contos, e seu legado inclui muitos folhetins e memórias, assim como peças de teatro e traduções. Luts foi literariamente ativo por cerca de 45 anos, 17 dos quais ele trabalhou também como farmacêutico em Tartu, Narva, e Tallinn, bem como na Rússia, de modo que escrever seus primeiros livros foi uma atividade paralela ao seu trabalho como farmacêutico. Em 1922 começou a trabalhar como escritor em tempo integral em Tartu. Em 1936, mudou-se para uma pequena casa em Tartu, onde viveu com sua família até a sua morte. Em 1964, a casa foi aberta como Museu Casa de Oskar Luts. Já com os seus primeiros livros, foi considerado pelos leitores estonianos um escritor nacional. Primavera (1912-1913) é o primeiro e mais famoso título do autor.

Sobre Sandra Jávera

Sandra Jávera é artista gráfica, nasceu em 1985 e formou-se em Arquitetura na Universidade de São Paulo, em 2011. Ilustra livros para diferentes editoras e, além disso, já colaborou com jornais como a Folha de S. Paulo e com diversas revistas como Pesquisa FAPESP, Bravo! e TPM. Desde 2012 mora em Nova Iorque, onde desenvolve em seu estúdio projetos de livros.

Narrativa

A narrativa é bem sensível. É impossível não se encantar pelos personagens, principalmente, Arno e sua amiga Teele Raja.

Eu pensei que encontraria algo mais regional, felizmente ou infelizmente,  as situações que ocorrem no livro são bem universais (tirando as lendas que são contadas durante a leitura, ambientação e o nome dos personagens que por si só são bem diferentes). Os personagens tem suas complexidades, e o que é mais interessante é que se trata de um infanto juvenil que tem nuances de realismo ao invés de fantasia (o que é bem raro atualmente). O cotidiano desses personagens é bem explorado e totalmente detalhado e ambientado de uma forma bem simples, porém, muito efetiva ao leitor.

Embora seja um livro que fala sobre o cotidiano principalmente de Arno, não senti em nenhum momento que o ritmo na narrativa diminui.  Sempre há uma curiosidade a ser explorada. A minha maior curiosidade foi descobrir para onde o livro iria durante sua conclusão. E confesso que não desanimei em nenhum momento (principalmente nesse quesito).

Diagramação

A diagramação do livro é bem delicada, gostei muito da capa e das ilustrações presentes no livro. Dão um panorama interessante e envolvente a trama.

Consderações Finas

Primavera é um livro altamente recomendado aos que adoram clássicos como Oliver Twist e As Aventuras de Tom Sayer. Uma volta a melhor idade, aonde tudo é curioso e diferente. Aonde o dia parece ter mais horas e a doçura do descobrimento do amor consome seus pensamentos mais íntimos.