Surpresa do Além – Charlaine Harris 

Autora: Charlaine Harris
Editora: Lua de Papel
Páginas: 255
Comprar: R$19,46

proibido

Introdução / Premissa

Os meio-irmãos Harper Connelly e Tolliver são especialistas em encontrar cadáveres de pessoas desaparecidas e ao encontrarem descobrem também a causa morte através dos ossos. No primeiro livro da série não fica muito esclerecida a relação dos meio-irmãos, já de início no segundo livro a relação deles é muito mais detalhada o que contribuí para um grande crescimento da trama.

Narrativa

Alguns erros de ortografia e de estética fazem tardar a leitura (esse foi um dos pontos negativos no livro anterior e novamente eles foram frequentes nesta edição).

Mas mesmo assim a trama encanta e se volta para uma premissa muito mais interessante que anterior. Continua com o mesmo estilo que faz as páginas passarem rapidamente. A narrativa não tende ao óbvio, trabalha com olhar do leitor a desvendar o que ocorre e quem é o causador.

“-Eram pedras bem grandes, de tamanho suficiente para rachar um crânio – ele falou. – Acho que é por isso que o assassino teve que ir e voltar. Precisou buscar duas pedras grandes. E as jogou no túmulo, para que caíssem na cabeça de Nunley, e pode ter precisado de algumas tentativas até conseguir isso. O assassino queria que parecesse que Nunley tropeçou e caiu na cova aberta. Mas temos certeza de que isso não aconteceu. É certo que ele foi assassinado.” – pág 141

Charlaine consegue cativar construindo personagens tão interessantes e reais, tornam a trama tão convincente e fantástica. Pois tanto Harper quanto Tolliver passam essa credibilidade. A trama tem um desenvolvimento bem atrativo, pois quando Harper descobre o corpo de Tabitha em uma sepultura antiga e depois novamente encontra outro corpo dentro da mesma cova a narrativa toma um ritmo tão interessante e motivador que as páginas vão se consumindo num fervor mágico. Vários personagens são suspeitos e ao chegar no final, surpreende com a revelação.

Momento Macchiato

“Então percebi que a luz da lanterna de Tolliver brilhava em minha direção, vinda do outro lado da sepultura, e o próprio a segurava. Meu coração bateu tão forte que achei que as pulsações rasgariam o meu peito. Caí de joelhos sobre a terra fofa e recém-mexida. – Viu? – a voz falou, e não consegui saber de onde ela vinha. Com uma sensação cada vez maior de medo, direcionei o facho da lanterna para a sepultura. Havia outro corpo lá dentro. – pág 112.

Considerações Finais

Uma trama de palavras fáceis num ritmo que tende a aumentar do meio pro fim, tem um crescimento e um aprofundamento nos personagens o que o torna agradável e motivador.