Dizem por aí – Jill Mansell 

Dizem por aí

Edição: 1
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581630137
Ano: 2012
Páginas: 432
Tradutor: Sayuri Arakawa

O namorado de Tilly Cole acaba de se mudar do flat deles com metade de suas coisas. Sem nada para prendê-la, Tilly decide rapidamente morar mais perto de sua melhor amiga, Erin, em um vilarejo minúsculo em Cotswolds. Lá, Tilly é contratada no mesmo momento como faz-tudo em uma empresa de design de interiores. Para sua surpresa, a cidade pequena transborda escândalo, sexo, fofoqueiros e boatos, focados basicamente em Jack Lucas, o homem lindo de muita classe e melhor amigo de seu chefe. Todos falam para Tilly ignorar o encanto por Jack, que ela será apenas outra em sua cama se ela se deixar levar; mas Tilly, que trabalha ao lado de Jack, enxerga uma parte carinhosa e cuidadosa dele que não é revelada à cidade. É impossível que ele seja a mesma pessoa de quem todos falam. Ou é possível? Tilly deve separar os fatos da ficção e seguir seu instinto neste divertido romance moderno.

proibido

 Introdução

Confesso que o livro não tinha me atraído quando li a sinopse e vi que seria um dos lançamentos do mês. Não gosto da impossibilidade que esse tipo de romance cativa. Porém, o livro é muito bem escrito. Divertido, leve e empolgante. Tilly é uma personagem que me identifiquei de primeira. Não pelo fato de estar terminando um relacionamento. Mas de começar do zero tudo de novo. É uma inspiração.

Narrativa

A narrativa como disse anteriormente na introdução desta resenha é muito gostosa. Ela cativa e atrai pela simplicidade a vida desastrada de Tilly que muda sua vida de cabeça pra baixo e começa de novo uma vida que ruma o sucesso e a felicidade. É o tipo de livro que não pode ter um fim se não o que foi já estabelecido e o leitor torce pra que seja assim. Jack é um personagem atraente e cativante. Um livro de fácil adaptação pro cinema e que provavelmente faria todo mundo pirar por Jack. O fato da história não só rumar o romance de Tilly e Jack e um emaranhado de personagens interessantes, faz com que o livro se diferencie de muitos livros do gênero que já são consagrados.  Kaye (impulsiva) e Max (divertido e reprimido) são incríveis, Lou é uma fofa e às vezes rouba a cena em muitos dos capítulos e situações.

Momento Macchiato

-O Jack te convidou? – sorrindo, Lou completou: -Oh,oh! Pensei que você havia dito que não estava interessada em ser mais um troféu na prateleira dele.
-Não estou. _ pelo amor de Deus, agora estava sendo importunada por uma garota sardenta de 13 anos. – Não é um encontro, ele só me convidou para se safar de uma situação embaraçosa. – pág 139

Considerações Finais

Uma leitura que me surpreendeu, pois achei que demoraria milênios para ler, por ser algo que de fato eu não costumo ler. E que me fez engolir páginas ferozmente pelo conteúdo cotidiano, simples e divertido que Jill descreve. Aprovadíssimo para aqueles que necessitam de um empurrãozinho na vida e criar coragem para modificar sem ter medo das consequências. Com bons pensamentos e ações corretas, as coisas fluem melhor. Não tem erro.