EntreMundos

Edição: 1
Editora: Rocco
ISBN: 9788579801730
Ano: 2014
Páginas: 248
Tradutor: Viviane Diniz

Primeiro de uma trilogia de sucesso assinada a quatro mãos por Neil Gaiman e Michael Reaves, roteirista de TV premiado, Entremundos leva o leitor a viajar por várias dimensões na companhia de Joey Harker, um garoto comum que, durante um inusitado teste de localização proposto pelo professor de Estudos Sociais, descobre ser um Andador, alguém capaz de deslocar-se de uma dimensão para outra. Enquanto tenta entender onde está e o que significa sua nova condição, Joey percebe que aquele é o começo de uma nova vida e de uma grande aventura em que magia e ciência se unem para garantir a paz em vários mundos. 

Introdução

Em Entremundos, Joey Harker, durante um teste de localização, tarefa dada por seu professor de Estudos Sociais, descobre que pode se deslocar entre dimensões.
Joey tenta entender essa nova condição na sua vida e encara como um começo de uma nova aventura.

O texto foi criado em 1995 e era um projeto para uma série de tv. Porém, não deu certo e alguns anos depois e chegando agora ao Brasil, Entremundos saiu da gaveta e entrou nas melhores cabeças, aquelas que adoram tanto Neil Gaiman quanto eu. 😀

Narrativa

 A narrativa é em primeira pessoa e o livro é cheio das referências da cultura geek/pop. O universo em que Joey está é bem característico do gênero, podemos ver inúmeras referências incutidas na trama. São vários personagens que vão ganhando vida ao longo dessa descoberta do garoto. Confesso que o gênero infanto-juvenil anda bastante diversificado e tem ganhado vários títulos favoritos ao longo de minhas leituras. Embora eu não seja fã de sci-fi assumida, são poucos os livros que li e realmente gostei, Entremundos ganhou um cantinho especial pela criatividade e genialidade da combinação de dois autores talentosos e conhecidos do grande público. Embora use termos de física quântica, tudo isso é bastante suave e num tom bem divertido. Ou seja, é possível por conteúdo, mas a escolha de como conduzir a narrativa fez toda a diferença.

Diagramação

A capa além dos grandes autores que assinam essa obra, é um atrativo a parte. Evoca todo aquele sentimento nerd que aflora em alguns eleitores (como eu). A capa é bem chamativa e com certeza a maioria (porque ninguém agrada a todos) curtiu.

Considerações Finais

Preciso dizer o quanto gostei de ver o Neil escrevendo com o Michael Reaves? Acho que não. Mas a harmonia dos dois no livro é muito interessante. Eu geralmente não me empolgo com co-autores, mas esse sim. Foi uma experiência e tanto. Como leitora voraz, fiquei muito feliz. O livro cumpre com o que promete e faz ainda mais. A trama é perfeita, sem tirar e nem por, o suficiente para manter o leitor interessado e louco para uma continuação, mesmo que não termine de um jeito que faça o leitor enlouquecer, ele deixa a ponta de curiosidade em que ponto a continuação acontece e os desdobramentos na vida de Joey.

O livro faz parte de uma trilogia, ele foi publicado nos EUA em 2007. O segundo volume (The Silver Dream) foi publicado em 2013. O último volume dela, sai no ano que vem nos EUA.