Editora: Biruta
ISBN: 9788578470820
Ano: 2011
Páginas: 100

Transformar-se em gente não é tarefa fácil. O Menino muito sofreu, muito chorou. Olhava o Pai e não entendia por que seu pai não era como os outros tantos pais: homens de palavras, homens de carinhos, homens de festa. Não. Seu Pai era silencioso, triste. Seu olhar era distante,seu passo era trôpego, seu carinho era vago. Assim, o Menino teria que aprender a amar esse Pai. Teria que aprender a conversar com esse Pai.

proibido

Introdução

A trama de Eu e o silêncio do meu pai, narra pedaços da vida de um menino que tem um pai alcoólatra. No qual esse menino sente muito por seu pai ter chegado a esse ponto, ou seja, há relatos de sentimentos ruins (vergonha e dor) quando o pai ficava em péssimas condições. São relatos e flashbacks de momentos marcantes desse menino que desejava que o pai saísse desse vício. O menino quer a atenção e o carinho do pai.

Narrativa

A narrativa de Caio é feita tanto em primeira como em terceira pessoa. O protagonista não tem nome, mas tem muito mais do que isso. Ele em sua infância sente muita falta do pai. Ele é presente, mas não está presente, pois a maioria das vezes está bêbado. O diálogo entre eles praticamente inexiste. O garoto é o filho caçula de uma família grande. Sua mãe é muito carinhosa, mas ele sempre desejou a atenção daquele que parecia não estar ali. Ao que parece, o livro é um pouco auto-biografico e a escolha do protagonista não ter nome é exatamente por esse motivo.

O autor tem mais um título que conta sobre a relação entre pai e filho e se chama Meu pai não mora mais aqui. Eu ainda não o li, mas a curiosidade se tornou maior após a leitura desse livro.

Diagramação

Mais um livro ilustrado pela Casa Rex, preciso dizer alguma coisa? Acho que não né? Impecável. Tanto na diagramação como a escolha das ilustrações que fazem total sentido a trama. Fonte agradável, escolha de tamanho também. O livro tem um ritmo muito interessante, em poucas páginas já estamos totalmente imersos na trama.

Considerações Finais

A escolha do título para leitura, foi um pouco premeditada. Nunca tive um relacionamento muito bom com meu pai (embora não seja nas mesmas condições do texto). Ler sobre o assunto mexeu internamente comigo. Vivemos numa sociedade que cada vez mais casais se separam, ou existem brigas intensas. Com tanta coisa pra fazer, os pais acabam esquecendo o que é essencial, o carinho e atenção dos filhos. É reflexivo, não se trata de um tema feliz, mas agrada pela criatividade e clareza com que o assunto é tratado.