Longe Demais – Jennifer Echols 

 Longe Demais

Edição: 1
Editora: Pandorga
ISBN: 9788561784027
Ano: 2011
Páginas: 238
Tradutor: Marcelle Barros Soares

Tudo o que Meg sempre quis foi fugir. Fugir do colégio. Fugir da sua pacata cidade. Fugir de seus pais, que pareciam determinados a mantê-la presa em uma vida sem futuro. Mas, em uma noite louca envolvendo trilhos de ferrovia proibidos e desafiadores, ela vai longe demais… e quase não consegue voltar.
John escolheu ficar. Para impor o cumprimento das leis. Para servir e proteger. Ele desdenha a rebeldia infantil e quer ensinar a Meg uma lição que ela não esquecerá tão cedo. Mas Meg o leva ao limite ao questionar tudo o que ele aprendeu na academia de polícia. E quando ele a pressiona para saber por que ela não se prende a nada, a resposta os levará a um caminho sem volta…

proibido

Introdução

Sempre lia resenha de muitos blogueiros falando bem as obras da autora Jennifer Echols, e nunca vinha a oportunidade de ler algo dela. Recentemente, fiz uma troca no skoob e assim pude ter contato com a trama desse livro que vos escrevo a resenha.

Narrativa

Felizmente a narrativa de Echols, cumpre sua promessa. O livro tem uma trama bem interessante, gosto quando o ambiente tem grande parte da história e concentra aos fatos a um determinado local. Em Longe Demais, uma velha ponte por onde passa um trem é cenário de quase todas as cenas mais importantes do livro, tem um significado bem forte que é nos contado apenas no final. Além de ser um livro muito rico em detalhes das cenas e expressões dos próprios personagens. Há uma certa simpatia ao entrar em contato com os dois personagens chave dessa trama. Por uma brincadeira Meg começa a prestar serviço auxiliando John a patrulhar a cidade durante um período e aos poucos eles vão desenvolvendo um relacionamento conturbado.

Meg provoca um tipo de aproximação com o leitor por ser uma garota problema, de atitude e bem humorada. John encanta pelo fato de ser cuidadoso e certinho.

Momento Macchiato

“Aos poucos fui perdendo a consciência. Senti-me encolher tão rapidamente que eu parecia derreter, desmoronar dentro de mim mesma. Através da minha pele transparente se podia ver meus ossos. Balancei um dedo para frente e para trás, observando os ossos estalando sob a pele.” – pág 147

Considerações Finais

É um livro que contém uma história gostosa, mesmo que trágica, a leitura instiga o término. Com palavras fáceis e cenas paradisíacas de uma cidade pequena e com poucos acontecimentos. Ponto pra Echols. Pretendo ler seus outros livros muito em breve.