Proibido

ISBN: 9788565859363
Ano: 2014 / Páginas: 304
Editora: Editora Valentina

Ela é doce, sensível e extremamente sofrida: tem dezesseis anos, mas a maturidade de uma mulher marcada pelas provações e privações da pobreza, o pulso forte e a têmpera de quem cria os irmãos menores como filhos há anos, e só uma pessoa conhece a mágoa e a abnegação que se escondem por trás de seus tristes olhos azuis. Ele é brilhante, generoso e altamente responsável: tem dezessete anos, mas a fibra e o senso de dever de um pai de família, lutando contra tudo e contra todos para mantê-la unida, e só uma pessoa conhece a grandeza e a força de caráter que se escondem por trás daqueles intensos olhos verdes. Eles são irmão e irmã. Mas será que o mundo receberá de braços abertos aqueles que ousaram violar um de seus mais arraigados tabus? E você, receberia? Com extrema sutileza psicológica e sensibilidade poética, cenas de inesquecível beleza visual e diálogos de porte dramatúrgico, Suzuma tece uma tapeçaria visceralmente humana, fazendo pouco a pouco aflorar dos fios simples do quotidiano um assombroso mito eterno em toda a sua riqueza, mistério e profundidade.

proibido

Introdução

Em Proíbido, somos apresentados a uma família completamente desestruturada. Nela, são 5 crianças e uma mãe, pois foram abandonados pelo pai. A mãe, sofre de alcoolismo e quase nunca está presente. As duas crianças mais velhas, da qual ganham grande parte do destaque, são Maya (16) e Lochan (17). Ou seja, além da rotina da escola, eles cuidam dos mais novos e acabam exercendo a função dos pais. Em meio a isso, Maya e Lochan começam a se sentir como casal e uma paixão proibida começa a ganhar novos capítulos. A trama tem diversos temas, porém, esse amor proibido ganha destaque. Será possível? O que acontecerá? Haverão consequências?

Sobre Tabitha Suzuma

Foto -Tabitha Suzuma

Tabitha Sayo Victoria Anne Suzuma nasceu em Londres, filha de mãe inglesa e pai japonês, a mais velha de cinco filhos. Ela frequentou o liceu francês, mas saiu da escola aos catorze anos. Dez anos depois, ela se tornou professora e escreveu seu primeiro livro, A Note of Madness. Ela ainda escreveu mais três obras para o público jovem adulto: From Where I Stand, A Voice in the Distance e Without Looking Back. Seu trabalho mais famoso, Forbidden, conta a história de um romance incestuoso entre um irmão e uma irmã. Sua obra mais recente é Hurt, livro lançado em 2013.

Site oficial TwitterFacebookYoutube

Capas pelo mundo

7600924 11395692 13137641 15743700

Narrativa

Narrado em primeira pessoa com capítulos em que Lochan e outros que Maya protagoniza. Há uma sutil diferença nesses irmãos. Maya ao contrário de Loch torna tudo mais impulsivo e um pouco egoísta. Loch, por outro lado, sente muito medo e culpa. Ele é bem mais fechado e centrado do que parece. De um lado vemos uma personagem jogar tudo pro alto enquanto o outro torçe para que isso acabe o quanto antes, pois de fato, o machuca. O ambiente escolar é um pouco explorado, porém, as situações em casa são mais frequentes. O que torna a narrativa interessante é que a autora não tenta justificar os atos, ela promove aos personagens sentimentos e medos, vontades e ansiedades comuns. O romance é gradual e não aparece de início. Pelo contrário, somos apresentados ao ambiente “maluco” com o qual eles convivem. Vários personagens são introduzidos, porém, o foco está nesse relacionamento e não nos outros.

Diagramação

Tanto a capa quanto a diagramação interna são muito bem exploradas e pensadas. Ao começo de cada capítulo, há um detalhe parecido com o da capa. Temos a mão de Lochan e Maya entrelaçadas, o arame farpado promove essa sensação de caminho proibido.

Considerações Finais

Proibido é um dos livros mais polêmicos que li esse ano. Só perde, para Tampa. Porém, é um livro que me surpreendeu muito positivamente, pois trata do assunto de modo bem carregado, não existe sutilezas. A autora promove uma leitura pautada no real e as suas consequências. Se você espera um livro bonitinho e feliz, não encontrará nesse, É preciso ler sem preconceitos, se possível, não leia sinopse, não leia a orelha. Apenas se deixe levar a narrativa.