Seis Anos Depois

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580412536
Ano: 2014
Páginas: 272
Tradutor: Ricardo Quintana

Jake Fisher e Natalie Avery se conheceram no verão. Eles estavam em retiros diferentes, porém próximos um do outro. O dele era para escritores; o dela, para artistas. Eles se apaixonaram e, juntos, viveram os melhores meses de suas vidas. E foi por isso que Jake não entendeu quando Natalie decidiu romper com ele e se casar com Todd, um ex-namorado. No dia do casamento, ela pediu a Jake que os deixasse em paz e nunca mais voltasse a procurá-la.

Jake tentou esconder seu coração partido dedicando-se integralmente à carreira de professor universitário e assim manteve sua promessa… durante seis anos.

Ao ver o obituário de Todd, Jake não resiste e resolve se reaproximar de Natalie. No enterro, em vez de sua amada, encontra uma viúva diferente e logo descobre que o casamento de Natalie e Todd não passou de uma farsa.

Agora ele está decidido a ir atrás dela, esteja onde estiver, mas não imagina os perigos que envolvem procurar uma pessoa que não quer ser encontrada.

Em Seis Anos Depois Harlan Coben usa todo o seu talento para criar uma trama sensacional sobre um amor perdido e os segredos que ele esconde.

proibido

Introdução

Próximo da vinda de Harlan a Bienal ♥, nada mais prazeroso do que contar à vocês a minha experiência com esse lançamento.

Seis Anos Depois é narrado por Jake Fisher, um professor. A sua ex namorada, Natalie Avery, o troca por um ex e se casa às pressas com ele. Jake vai ao casamento e ela não fica nada feliz com isso, pede para que ele não a procure mais. Ele cumpre a promessa. Por 6 longos anos. Jake descobre que Todd faleceu e vai ao seu enterro, mas quando procura por Natalie, descobre que Todd era casado com outra mulher, com quem tinha 2 filhos na faixa dos 16 anos. Depois desse episódio estranho, Jake começa uma busca para encontrá-la e entrará em profundos mistérios e situações perigosas durante a trama.

Até onde ele estará disposto a ir para encontrá-la? Já me adianto e digo: LEIAM Seis Anos Depois.

Sobre Harlan Coben

Narrativa

A trama é altamente viciante. Narrada em primeira pessoa e podemos acompanhar todos as sensações e situações que vão se desenrolando com o personagem nessa busca frenética por Natalie. Já digo de antemão que não conseguirá largar ao livro até concluído. Jake é o personagem mais apaixonado criado por Harlan. Mesmo depois de tanto tempo, ele vai atrás daquela que ama sem medo algum ao nao ser o de não encontrá-la. A trama é ágil e tudo se desenvolve em apenas uma semana. Ou seja, os fãs de narrativas objetivas vão se encantar. Pois, todo o “circo” se desenvolve em poucas páginas.

O livro como um todo é bem atípico do próprio autor. Geralmente, ele não deixa pontas soltas durante a trama. É bom ver que mesmo com tantos livros publicados ele se permite fazer algo diferente e que da mesma forma encanta os leitores antigos e aos novos os instiga a ler os anteriores.

Como “vivemos” na pele de Jake, sempre fica a dúvida sobre informações e características de Natalie. Pois temos um contato breve com a mesma no começo e passamos um bom tempo sem conhecê-la de fato. Mas os perigos e ameaças que Jake começa a receber ao querer revirar o passado demonstram o quão especial Natalie é pra ele.

Diagramação

As capas do autor sempre me aguçam a curiosidade, além das sinopses, a capa é fundamental. A diagramação interna é simples. Um padrão adotado e que proporciona conforto a leitura. Não encontrei erros de digitação ou de gramática graves.

Considerações Finais

Seis Anos Depois é um livro que tem um clímax que se estende por quase todo livro. Eu sempre aviso que os desfechos dos livros de Harlan tendem a algo mais previsível – mas mesmo com o final do jeito que imaginamos – podemos desfrutar de uma leitura agradável e totalmente viciante antes da solução.

Os críticos dizem que esse é o melhor livro único criado pelo autor. E eu tenho que concordar, pois o achei surpreendente. É como uma renovação de votos de autor x leitor e do quanto Harlan ainda pode nos proporcionar com suas histórias. Preciso dizer que recomendo? Acho que não…