Sozinho no deserto extremo

Edição: 1
Editora: Prumo
ISBN: 9788579272165
Ano: 2012
Páginas: 320

“Sozinho no deserto extremo” explora o complexo estado psicológico causado pela solidão, não somente a metafórica, que é como ‘sentir-se sozinho na multidão’, mas a real situação de estar só, em um mundo despovoado, sem ninguém em quem se espelhar. O destaque da obra, recheada de inquietações filosóficas e referências culturais, são as divagações de Davi, personagem principal da história, um publicitário bem-sucedido, que acorda certo domingo e percebe que está sozinho em casa. A mulher e os filhos pequenos estão ausentes, a quietude é incomum. Até mesmo o costumeiro barulho abafado do trânsito desapareceu. Davi telefona para a mulher, mas a ligação cai na caixa-postal. Preocupado, telefona para outros números, e nada, ninguém atende. Em poucos minutos, olhando pela janela e navegando na internet, ele percebe que está sozinho no mundo. Privado das distrações e da rotina, Davi faz uma análise da relação desgastada que tinha com a esposa, da sua insatisfação profissional e até das ponderações mais abrangentes sobre os seres humanos e a sociedade.

proibido

Introdução

O livro de Luiz Bras me chamou atenção desde a sinopse. E o livro não me desapontou, pelo contrário me fez refletir ainda mais sobre a nossa existência, busca pelos objetivos e a nossa insignificância quando estamos sozinhos. O individualismo é algo que não se aplica na minha profissão. Não se pode dirigir um filme sozinho, existem diretores de cada departamento. Se algum dia tivesse que tomar cabo de tudo, provavelmente não concluiria. Mas com Davi, as coisas não são mera questão de opção.

Davi acorda e de repente, todos se foram. Nenhum rastro de ser humano restou.

Narrativa

O livro nada mais é que os relatos de Davi, os capítulos são titulados pelos dias e por um tema. O que leva de início uma adequação a construção dos dias de Davi. A adaptação levou um pouquinho de tempo, porém foi fazendo sentido a estrutura proposta pelo autor.

Sozinho no deserto extremo é um livro que me cativou, confesso que demorei um tempo a entendê-lo e a aproveitar cada momento aqui presente, embora seja um pouco incomodo as situações quando Davi está próximo dos últimos dias ali narrados. É o primeiro livro do autor, felizmente recebi outro livro do mesmo, porém o gênero é totalmente diferente do publicado pela Prumo. Logo farei a resenha, só adianto que o título é Sonhos, sombras e super-heróis.

Momento Macchiato

“Tudo o que um dia existiu ocupa agora o espaço menor do que a cabeça de um alfinete. Estrelas, pessoas, cidades, plantas, animais e rochas, a felicidade é grande: estamos mais uma vez juntos. Todos juntos e mortos. Mais uma vez reunidos. Num único ponto. ” – pág 60

Considerações Finais

Sozinho no deserto extremo não é um livro de escrita difícil, porém é necessária bastante atenção e dedicação na leitura. Não é aquele livro que a leitura voraz vai a seu favor.  É preciso um tempo de curtição, como aquele vinho que você toma uma vez por ano. É raro poder bebericar, mas você quando o tem entre as papilas gustativas, você pretende manter algum sabor.

As referências cinematográficas do autor sugerem alguém bastante culto, talvez alguns leitores não tenham contato com as obras e até instiguem a assisti-las ou lê-las.

A edição está impecável. A editora fez um ótimo trabalho na publicação do livro: capa interessante, nenhum erro ortográfico sério e diagramação confortável.