O Estreito do Lobo
ISBN-13: 9788584190294
ISBN-10: 8584190295
Ano: 2015 / Páginas: 400
Idioma: português
Editora: Tordesilhas

Introdução

Em O estreito do lobo, os policiais Klemet Nango e Nina Nansen, terão que investigar o que acreditam ser um assassinato. Um afogamento, de um criador de renas, Erik Steggo. Através de uma investigação, saberão se estão certos ou errados. Terão de mergulhar nos segredos da cidade e num universo totalmente diferente pra mim, o dos criadores de renas. O enredo se passa na Lapônia, mais precisamente em Hammerfest e que está prestes a ficar 3 meses sem que o sol se ponha (conhecida como terra do sol da meia noite), um tanto quanto interessante para quem nunca se aventurou numa trama num local tão peculiar e tão distinto. A trama vai além disso, pouco tempo depois do “acidente” de Erik, o prefeito, Lars Fjordsen, é encontrado morto perto de uma rocha sagrada, os investigadores terão que aprofundar em questões diferentes do habitual e lidar com personagens nada confiáveis para dar segmento as investigações.

Este é o segundo livro em que os personagens Klemet e Nina aparecem, e é o primeiro que leio. O primeiro, se chama Quarenta dias sem sombra, publicado pela mesma editora.

Sobre Olivier Truc

O francês Olivier Truc (Montpellier, 1964) é jornalista e mora em Estocolmo, onde trabalha como correspondente do Le Monde e do Le Point. Especialista nos países nórdicos e bálticos, Truc já produziu documentários para a televisão e publicou livros de reportagem. Estreou na literatura com Quarenta dias sem sombra, pelo qual recebeu mais de 15 prêmios. Com O estreito do Lobo, ele rompe o monopólio dos autores escandinavos e apresenta mais um thriller gelado do mais alto gabarito.

Edições estrangeiras

23440937 25820283 25171038 26045108 28246506

Narrativa

O autor não se limita aos policiais protagonistas, os Samis, o povo mais antigo da Lapônia, são descritos com maestria, não deixa de fora as tradições e costumes do povo e motivo pelo qual me encantei com o enredo.

Truc deixa a narrativa um pouco mais lenta do que o habitual, para alguns leitores, isso pode ser problemático. Para outros, pode ser um diferencial. Para mim, foi uma experiência completamente nova e bem estruturada, principalmente, por não ter lido nada ambientado na localidade do enredo, como também um universo que nunca explorei, dos criadores de renas e de petroleiras. São detalhes que se fosse feito de forma mais direta, provavelmente não consegueria entender com a profundidade que tive neste livro.

Um jeito bem curioso de conduzir a trama, Truc, deixa o leitor sabendo a cada capítulo, a hora, quando o sol nasce e quando ele se põe e o tempo de luz solar. Achei isso tão diferente e fascinante ao mesmo tempo, ajuda bastante na ambientação para o leitor.

Projeto gráfico

A editora Tordesilhas, caprichou no projeto do livro. Adorei a capa, adorei a diagramação e a leitura só teve pontos positivos nesse quesito, tudo muito claro e bem posicionado. Embora não tenha lido o primeiro livro, a editora se preocupou em criar uma identidade parecida com a primeira obra.

Considerações finais

O estreito do lobo, é uma descoberta. Fiquei fascinada pelo tema, pela forma como o autor conduziu a trama e o clímax, que não deixou nada a desejar. É muito mais do que uma invesgitação para saber quem é o asssassino e motivo pelo qual matou. É um universo explorado da melhor forma, com descrições e acontecimentos num tempo “realista”. O fato de não ter lido o primeiro livro, não foi um problema, pois são tramas que não se “cruzam”, a não ser pelo fato de não ter conhecido antes os protagonistas. Mas a leitura não foi afetada, pelo menos, é o que eu acredito. Não senti falta de algo, pelo contrário, fui fisgada pela estória e pelos personagens de um jeito único e encantador.